Terça-feira, 23 de Julho de 2024
No menu items!




“Os bombeiros têm sido os berços de outras instituições”

Com cada vez menos voluntários e dificuldades de recrutamento por parte das corporações, o comandante José Carlos Rebelo revela que os bombeiros “têm sido os berços de outras instituições.

-PUB-

Ou seja, “nós formamos bombeiros voluntários, que depois precisam de pôr comida na mesa e com o rendimento que auferem na corporação não conseguem, pelo que optam por outras instituições, como a GNR ou os Sapadores Florestais, que abrem concursos e acabam por levar os bombeiros, quando fomos nós que lhe demos a formação. Acabamos por perder profissionais, que provavelmente iriam ser voluntários, pelo que o voluntariado fica reduzido a nada ou quase”.

A mesma preocupação tem o presidente da associação, Humberto Santos, que está na direção desde 1998. “Os recursos humanos são cada vez menos, porque a população tem diminuído muito. E também me parece que as pessoas têm perdido um pouco da sua voluntariedade. A vida é muito diferente do que era há 30 anos. Hoje, a profissionalização poderia resolver o problema. Temos de enveredar por aí, porque o voluntariado tem diminuído bastante”.

“A associação está bem preparada, com veículos para todas as ocorrências, só nos falta os recursos humanos”
Humberto Santos – presidente

Apesar das dificuldades, revela que a corporação tem “uma situação financeira estável”, com uma “gestão rigorosa, em que não tenho nenhuma fatura para pagar em cima da minha mesa, apesar de os custos serem cada vez maiores e os subsídios são poucos”.

Com uma Equipa de Intervenção Permanente (EIP), o comandante afirma que é “uma mais-valia” para a corporação. “As EIP deveriam corresponder a um serviço mínimo de 24 horas por dia, mas só cobre oito horas. Antigamente, a atividade não era tão exigente, não havia tantas pessoas na estrada, nem incêndios florestais com esta dimensão e frequência. Isto significa que tem de haver profissionalismo na primeira intervenção, sem descurar o voluntariado”.

Com a missão de ajudar o próximo, Humberto Santos sublinha que “a população de Alijó sabe que os bombeiros estão presentes, quando tocamos a sirene, os voluntários aparecem sempre. Pode, por vezes, dar a impressão que os bombeiros estão um pouco alheados, mas quando há o toca a reunir, eles aparecem”.


Pode consultar o suplemento dedicado aos bombeiros AQUI

[adrotate group="24"]

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

[adrotate group="2"]

Mais lidas

[adrotate group="3"]

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

[adrotate group="5"]