Quarta-feira, 4 de Agosto de 2021
©DR

Papa aconselha “silêncio e oração, mais natureza e menos telemóveis”

O Papa disse, no Vaticano, que o verão deve ser uma oportunidade para “parar, calar e rezar”, alertando para o perigo de “passar da correria do trabalho para as férias”

-PUB-

“Tenhamos cuidado com o eficientismo, paremos a corrida frenética ditada pelas nossas agendas. Aprendamos a parar, a desligar o telemóvel, a contemplar a natureza, a regenerar-nos no diálogo com Deus”, apelou, desde a janela do apartamento pontifício, antes da recitação da oração do ângelus.

De regresso ao Palácio Apostólico, após a intervenção cirúrgica ao cólon, a 4 de julho, e que obrigou a um internamento de 10 dias, Francisco sublinhou a importância do descanso, que Jesus recomendou aos seus próprios discípulos, para combater o “cansaço físico e interior”.

“Ele quer alertá-los de um perigo, que sempre está à espreita, também para nós: deixar-se cair no frenesim do fazer, cair na armadilha do ativismo, onde o mais importante são os resultados que obtemos e sentir-se protagonista absoluto”, apontou.

O Papa recomendou um descanso que chegue ao “coração”.

“Não basta ‘desligar’, é preciso descansar de verdade”, afirmou.

Francisco sustentou que, a partir deste “coração sem pressa”, é possível viver com atenção aos outros, às suas feridas e necessidades.

“A compaixão nasce da contemplação”, indicou.

O Papa lamentou que muitos vivam numa atitude “voraz de quem quer possuir e consumir tudo”.

“Precisamos de uma ‘ecologia do coração’, feita de descanso, contemplação e compaixão. Vamos aproveitar o tempo verão para isso. Ajuda-nos muito”, concluiu.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.