Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Peça teatral “descobre” que o primeiro impressor português era de Vila Real

Investigação do docente da UTAD José Machado

PUB

Com estreia marcada para o próximo dia 4 de outubro, pelas 21h30, no auditório do Centro Cultural de Chaves, a peça teatral, intitulada “O Impressor”, é uma a história ficcionada de Rodrigo Álvares, o primeiro impressor português, natural de Vila Real, que terá aprendido a arte de impressão com mestres castelhanos que se deslocaram a Chaves em 1488 para imprimir a obra “O Sacramental”, considerado o primeiro livro impresso em língua portuguesa.

Segundo o investigador, “o seu nome, Roderico, aparece no cólofon da obra ‘O Sacramental’ como ajudante”, contudo “é ele que, no ano seguinte, imprimirá o ‘Tratado de Confissom’ a expensas de um rico comerciante de Chaves que decide entrar no negócio dos livros”.

Em comunicado, a UTAD revela que os estudos de José Machado “permitiram ainda concluir que Rodrigo Álvares ter-se-á instalado no Porto, em 1497, com oficina própria, imprimindo breviários e outras obras por ordem do bispo D. Diogo de Sousa.

Dele diz João de Barros no livro das “Antiguidades e Cousas Notáveis de Antre Douro e Minho” (1549): “De Vila Real que é junto desta comarca foi natural um Rodrigo Álvares que depois viveu no Porto, e foi o primeiro que a este Reino trouxe a impressão em tempo que valia um breviário seis e sete mil réis e este os imprimiu logo a dois cruzados.”

O primeiro impressor português, que viveu no séc. XV, tem sido alvo dos estudos do docente da UTAD, José Machado. Agora, a peça teatral, com encenação de Carla Cunha, conta com os atores do Grupo de Teatro Amador da Universidade Sénior de Chaves, com a parceria do Rotary Clube da cidade.

 

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.