Domingo, 24 de Outubro de 2021

Portugal com 1.114 mortos e 27.268 infetados

Nas últimas 24 horas, há mais nove vítimas mortais por covid-19 em Portugal, aumentando para 1114 desde o início da pandemia. 

-PUB-

Portugal regista hoje 1.114 mortes relacionadas com a covid-19, mais nove do que na quinta-feira, e 27.268 infetados (mais 553), segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de quinta-feira, em que se registavam 1.105 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,8%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (27.268), os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 553 casos do que na quinta-feira (26.715), representando uma subida de 2%.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (639), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (233), do Centro (214), Algarve (13), dos Açores (14) e do Alentejo que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de quinta-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, 569 vítimas mortais são mulheres e 545 são homens.

Das mortes registadas, 749 tinham mais de 80 anos, 226 tinham entre os 70 e os 79 anos, 95 entre os 60 e 69 anos, 33 entre 50 e 59, 10 entre os 40 e os 49 e um dos doentes tinha entre 20 e 29 anos.

A caracterização clínica dos casos confirmados indica que 842 doentes estão internados em hospitais, menos 32 do que na quinta-feira (-3,7%) e 127 estão em Unidades de Cuidados Intensivos, menos oito, o que representa uma descida de 6%.

A recuperar em casa estão 25.185 pessoas.

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (1.700), seguido por Vila Nova de Gaia (1.445), Porto (1.295), Matosinhos (1.192), Braga (1.146), Gondomar (1.046), Maia (906), Valongo (734), Guimarães (647), Sintra (697), Ovar (574) e Coimbra (556).

Desde o dia 01 de janeiro, registaram-se 269.266 casos suspeitos, dos quais 2.984 aguardam resultado dos testes.

Há 239.014 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados aumentou para 2.422, mais 164 do que na quinta-feira, representando uma subida de cerca de 7,3%.

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 15.809, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 7.093, da região Centro, com 3.564, do Algarve (345) e do Alentejo (232).

Os Açores registam 135 casos de covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

A DGS regista também 26.829 contactos em vigilância pelas autoridades de Saúde.

Do total de infetados, 16.087 são mulheres e 11.181 homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 50 aos 59 anos (4.605), seguida da faixa dos 40 aos 49 anos (4.598) e das pessoas com mais de 80 anos (4.165 casos).

Há ainda 3.932 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 3.270 entre os 20 e os 29 anos, 3.097 entre os 60 e 69 anos e 2.318 com idades entre 70 e 79 anos.

A DGS regista também 464 casos de crianças até aos 9 anos e 819 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

Segundo o relatório diário da situação epidemiológica em Portugal, 177 casos resultam da importação do vírus de Espanha, 137 de França e 88 do Reino Unido. Há ainda centenas de casos importados de dezenas de outros países.

De acordo com a DGS, 42% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 30% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 16% fraqueza generalizada e 12% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 88% dos casos confirmados.

A pandemia de covid-19 já provocou cerca de 267 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Cerca de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.