Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© DR

Portugal com 14 mortes e aumento de internamentos nas últimas 24 horas

Portugal registou 11.080 novas infeções com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, mais 14 mortes associadas à covid-19 e um aumento dos internamentos, indicam números divulgados hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS)

-PUB-

O boletim epidemiológico diário da DGS regista um crescimento do número de pessoas internadas, contabilizando hoje 1.081 internamentos, mais 58 do que no sábado, 148 dos quais em unidades de cuidados intensivos (mais seis nas últimas 24 horas).

Os casos ativos voltaram a aumentar nas últimas 24 horas, totalizando 203.322, mais 7.099 do que no sábado, e recuperaram da doença 3.967 pessoas, o que aumenta o total nacional de recuperados para 1.201.704. Das 14 mortes, cinco ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, quatro no Norte, uma no Centro, uma no Alentejo, duas no Algarve e uma na Madeira.

Os 11.080 casos hoje confirmados representam uma redução em relação aos últimos dias, tendo em conta que, desde 29 de dezembro, Portugal tem registado um número de infeções diárias sempre superior a 20 mil.

Comparativamente com a situação registada em Portugal no mesmo dia há um ano, o país tem hoje mais 7.839 novos casos de infeção – contabilizaram-se 3.241 novos casos em 02 de janeiro de 2021 – e mais 126.647 casos ativos (há um ano totalizavam 76.675).

Nesta comparação, o número de internamentos é significativamente inferior, uma vez que há um ano estavam internadas 2.858 pessoas, 492 das quais em cuidados intensivos, havendo também agora menos óbitos (no mesmo dia de 2021, o boletim da DGS contabilizava 73 mortes nas 24 horas anteriores).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.