Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2021

Portugal continental quase todo em risco máximo, muito elevado e elevado

Quase todo o território de Portugal continental apresenta hoje risco máximo, muito elevado e elevado de incêndio, segundo o Instituto do Mar e da Atmosfera, num dia em que a temperatura máxima vai subir no Sul do país.

-PUB-

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), estão em risco máximo cerca de 60 municípios dos distritos de Bragança, Vila Real, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém e Faro.

O IPMA colocou também em risco muito elevado e elevado de incêndio quase todos os restantes concelhos de norte a sul do país, à exceção de cerca de 40 municípios do litoral nos distritos de Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa e Setúbal.

O risco de incêndio, que se manterá elevado nos próximos dias, é determinado pelo IPMA e tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

A situação de alerta em Portugal Continental devido às previsões meteorológicas, que agravam o risco de incêndio rural, foi prolongada até final do dia de terça-feira por causa da subida da temperatura máxima, que segundo o IPMA ocorrerá em especial no Sul do país.

O IPMA prevê ainda para hoje nebulosidade matinal no litoral a norte do Cabo Raso e de evolução no interior Centro e Sul a partir da tarde.

No domingo, em declarações aos jornalistas, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse que, até agora, os resultados da época de incêndios são "animadores" e atribuiu-os aos esforços das equipas da proteção civil e estruturas de ajuda à população.

Segundo o IPMA, as temperaturas máximas devem subir hoje até aos 39.º (Évora e Beja) e as mínimas não vão baixar dos 14.º (Setúbal)

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.