Sábado, 31 de Julho de 2021

Produção de cereja com quebras superiores a 50%

A apanha da cereja já arrancou e este ano fica marcada pelas elevadas perdas na produção, superiores a 50 por cento. A culpa não é da pandemia de Covid-19, mas sim do mau tempo.

-PUB-

“A cereja quer água no início, quando está verde. Agora, para ficar docinha, precisa de sol”, explicou Maria Reis, enquanto puxava mais um galho da cerejeira para mostrar o efeito da chuva.

Para esta produtora, “o tempo não tem ajudado nada”, pelo que “mais de metade das cerejas vai ficar nas árvores porque com a água não amadurecem. Depois para vender também não dá porque ficam rachadas e aguentam menos tempo”.

Além do mau tempo, o cancelamento das feiras, devido à pandemia de Covid-19, veio atrapalhar o negócio. “Costumo vender nas estradas e em feiras e por causa do vírus não posso ir a lado nenhum”, salienta a produtora.

A Festa da Cereja, que se realiza, anualmente, no

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.