Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Projeto para venda de fumeiro em plataforma online

Cerca de 100 produtores de fumeiro do concelho de Montalegre foram desafiados para criar uma plataforma online de venda de produtos locais. A ideia é ganhar escala e visibilidade ao longo do ano.

-PUB-

Foi apresentado aos produtores de produtos regionais de Montalegre, nas instalações da biblioteca municipal, um projeto que visa a criação de uma plataforma eletrónica conjunta de venda de produtos locais. O objetivo é a qualificação para que, posteriormente, integrem esta rede de vendas durante o ano inteiro. Uma parceria entre a Municipal de Montalegre, a Associação de Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã e os próprios produtores.

O processo está a cargo de Ricardo Pinheiro, gestor de projetos na empresa Apostavetor, sediada em Braga, que refere tratar-se de uma «Feira do Fumeiro virtual» onde os produtores regionais “poderão vender, durante todo o ano, os seus produtos”. A título de exemplo de sucesso, o gestor apresentou o projeto "Namorar Portugal", com apenas dois anos de vida, “que a cada ano duplica o número de produtores”. Finda a apresentação, o gestor considerou “todos estes produtores” como “excelentes empreendedores”. Nesse sentido, reforçou, “foi unânime que o processo é interessante e tem potencial… o sucesso depende de todos os envolvidos”.

Sob outro ângulo, Fernando Pereira, em nome da Associação de Produtores de Fumeiro da Terra Fria Barrosã, explicou que o objetivo passa por “implementar um plano de ação no âmbito dos novos fundos comunitários de apoio do programa Portugal 2020”

Desta forma, concluiu, “esta iniciativa pretende alargar a dimensão de negócio na área dos produtos locais, aumentar as receitas, chegar a novos mercados e criar uma ponte entre o produtor e o consumidor”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.