Terça-feira, 15 de Junho de 2021

Proteção Civil testou capacidade de resposta aos incêndios rurais

Exercício Fénix 2021 decorreu nos dias 5 e 6 de maio, no distrito de Bragança, e envolveu mais de 800 operacionais

-PUB-

Durante dois dias, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) realizou, no distrito de Bragança, o exercício Fénix 2021, cujo objetivo foi testar o nível de resposta do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS) em situação de incêndio rural. Para tal, foi exercitada “a capacidade de comando operacional, controlo e comunicações dos vários escalões decisórios intervenientes na gestão das operações de proteção e socorro”, tal como explicou a ANEPC, em comunicado enviado às redações. 

O exercício desenvolveu-se em duas modalidades, CPX (Command Post Exercise), em contexto de posto de comando, e LIVEX (Live Exercise), com movimentação no terreno de meios operacionais. 

Ao longo do exercício, foram ainda testados outros cenários, nomeadamente de um acidente com um veículo de bombeiros, de evacuação de um aglomerado populacional, de despiste de um veículo para o rio e de evacuação de um lar de idosos.

Num briefing operacional, por videoconferência, a secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, deixou uma mensagem de incentivo a todos os operacionais que estiveram envolvidos no exercício e a todos os que participarão, este ano, no combate aos incêndios. “Estou certa de que este exercício será um contributo fundamental para o treino geral das forças e dos serviços aqui envolvidos, numa altura em que nos aproximamos da época mais crítica dos incêndios rurais, para que o dispositivo responda, mais uma vez, a todos os desafios que se irão colocar no nosso caminho nos próximos meses”, disse Patrícia Gaspar, lembrando que a ANEPC e todos os agentes de proteção civil estão a trabalhar “em inúmeras frentes distintas”, decorrentes do contexto da pandemia que o país atravessa. 

O exercício FÉNIX 2021 contou com a participação dos municípios de Alfândega da Fé, Mogadouro, Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta, que serviram de cenário para as ocorrências simuladas.

Estiveram envolvidos mais de 800 operacionais dos Corpos de Bombeiros, Forças Armadas, GNR, PSP, Força Especial de Proteção Civil da ANEPC, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, Sapadores Florestais, Instituto Nacional de Emergência Médica, além de outras entidades públicas, privadas e associativas, designadamente as Juntas de Freguesia dos municípios participantes, Rede Elétrica Nacional, Energias de Portugal, Corpo Nacional de Escutas, Cruz Vermelha Portuguesa, Serviços Municipais de Proteção Civil de Alfandega da Fé, Mogadouro, Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta e Centro Distrital de Segurança Social de Bragança.

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.