Sábado, 26 de Novembro de 2022

PSD quer desbloquear “cadeia de produção” do setor olivícola

O líder parlamentar do PSD, Adão Silva, apresentou três questões ao Ministério da Agricultura a propósito do que apelida de "bloqueio na cadeia de produção" do setor olivícola, problema que acarreta "grandes prejuízos" para os produtores

-PUB-

De acordo com Adão Silva, líder parlamentar do PSD, em declarações à VTM, “está a haver dificuldade e impossibilidade, mesmo, de os lagares se desfazerem dos resíduos resultantes da produção do azeite. Isto faz com que os lagares estejam a parar. Há vários parados nos últimos dias. Portanto, a azeitona fica em casa do produtor, com grandes prejuízos para este”, frisou.

Neste contexto, o PSD apresentou questões à Ministra da Agricultura, subscritas por Adão Silva, sobre as soluções globais para o setor, “seja no curto prazo, seja no longo prazo, com a eventual elegibilidade de novas unidades de transformação serem apoiadas financeiramente com novos fundos comunitários”.

Ou seja, “queremos chamar à atenção deste Ministério para a necessidade de, rapidamente, encontrarem uma solução para a situação criada, para os resíduos produzidos na produção do azeite para que este circuito não pare”, destacou Adão Silva.

De acordo com o próprio, Portugal, “subitamente, converteu-se num país exportador”, pelo que, “o azeite constitui, neste momento, uma boa fonte de riqueza para as pessoas. O distrito de Bragança e Trás-os-Montes, de forma global, são territórios onde a produção de olival, de azeitona e de azeite, tem grande relevância”. Urge, portanto, encontrar “soluções boas para todos, em termos económicos e ambientais, pensando, naturalmente, no bem-estar das famílias”.

Assunto a desenvolver na edição de 6 de janeiro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.