Quarta-feira, 4 de Agosto de 2021

PSD questiona sobre pagamentos em atraso à GNR na carreira aérea

Os deputados do PSD eleitos por Bragança questionaram o Governo sobre o alegado atraso de um ano e meio no pagamento aos agentes da GNR que asseguram o controlo nos aeródromos da carreira aérea Bragança/Portimão.

-PUB-

Na pergunta por escrito apresentada na Assembleia da República, na terça-feira, e divulgada hoje, Adão Silva e Isabel Lopes dão conta de que “desde janeiro de 2019” que o Governo deixou de pagar aos agentes que prestam este serviço concretamente nos aeródromos de Bragança, Viseu e Portimão.

A carreira aérea que liga Bragança, Vila Real, Viseu, Cascais e Portimão é assegurada pela operadora Sevenair no âmbito de um contrato de prestação de serviço público financiado pelo Governo.

A escala em Vila Real está suspensa há vários meses devido a obras na pista, mas tanto este como nos aeródromos de Bragança, Viseu e Portimão e o controlo da operação, nomeadamente relativamente à segurança, é assegurado pela GNR em regime de gratificados.

Os deputados sociais-democratas perguntam à tutela, na iniciativa parlamentar, se têm conhecimento da situação de atraso de 18 meses nos pagamentos e que explicação tem para a situação.

Os parlamentares querem ainda saber “quando vai ser efetuado o pagamento em dívida”.

Em 2016 verificou-se uma situação idêntica de atrasos nos pagamentos que ascenderam a meio milhão de euros liquidados pelo Ministério das Infraestruturas.

A carreira aérea Bragança/Vila Real/Viseu/Tires (Cascais)/Portimão arrancou a 23 de dezembro de 2015, retomando os voos entre Trás-os-Montes e o litoral depois da suspensão, em 2012, dos voos entre Bragança, Vila Real e Lisboa, que se realizaram ininterruptamente desde 1997.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.