Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Recolha de bens para o povo ucraniano supera expectativas

Quem o afirma é Cristina Figueiredo, diretora da Cáritas Diocesana de Bragança-Miranda, a propósito da recolha de bens "urgentes" que serão entregues aos soldados ucranianos

A iniciativa partiu de um grupo de ucranianos residentes em Bragança e contou com o apoio da Cáritas. De acordo com Cristina Figueiredo, diretora da instituição, “esta recolha irá continuar nos próximos dias, de acordo com as necessidades que vão surgindo através dos familiares destes residentes que ainda se encontram na Ucrânia”.

Para já, “o mais urgente são meias, roupa interior, comida enlatada e primeiros socorros. É isto que, neste momento, nos estão a pedir e é o que vamos mandar, já amanhã, em duas carrinhas que vão partir de Bragança”.

Após esta primeira ação que, segundo a própria, “superou as nossas expectativas”, através de dois voluntários, “os bens vão ser levados até à fronteira onde, depois, existem contactos que irão entregar tudo aos soldados ucranianos. Está tudo muito bem orientado e haverá todo o cuidado necessário”.

Entretanto, “começa a haver necessidade de recolher mais comida para crianças, além de fraldas. Nos hospitais começa a faltar tudo o que é desinfetantes e ligaduras. Hoje mesmo também nos disseram que é necessário barras de cereais, chocolates, leite achocolatado e tudo aquilo que se possa comer de forma rápida”.

O balanço, para já, “é muito positivo. O telefone não tem parado o dia todo e as pessoas estão muito solidárias”.

A recolha de bens “irá continuar nos próximos dias. Vamos lançar posts no Facebook a divulgar aquilo que é necessário. Vamos ver como é que isto evolui”.


Pode deixar o seu contributo na Cáritas Diocesana de Bragança-Miranda ou na Escola Secundária Emídio Garcia, em Bragança.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.