Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Reunião diocesana dos Assistentes paroquiais

No dia 23 de Fevereiro, na Casa diocesana, realizou-se, a convite do Assistente do Núcleo do CNE, um encontro dos Assistentes paroquiais. Nele tomaram parte o Chefe Regional, os senhores Bispos D.Joaquim e D. Amândio e o Dr. David, da diocese do Porto e membro da área jurídica do CNE (Corpo Nacional de Escutas ou Escutismo Católico Português)

-PUB-

Da agenda constou, de manhã, uma reflexão feita pelo senhor Bispo da diocese sobre a «formação religiosa no CNE». Lembrou que «a dimensão religiosa é parte essencial do Escutismo projectado pelo seu Fundador, Baden Powell, e a formação católica é natural e juridicamente parte integrante do CNE. Mas essa formação deve ser ministrada pelo método escutista, tendo em conta a dinâmica dos grupos (alcateias e patrulhas), o espírito lúdico e o valor da natureza», e deu exemplos sobre o modo de agir.

Da parte de tarde, o Dr. David lembrou o lugar do Assistente na estrutura jurídica do CNE, que «pertence ao quadro dos Dirigentes e não é mero conselheiro». Analisou as componentes da «natureza do Escutismo» (repetindo algo já dito na manhã), da «natureza jurídica do CNE» como associação privada de fiéis, e da «dimensão espiritual» do CNE como «evangelizadora e de fronteira», isto é, o CNE contém um sentido evangelizador dos jovens e a consciência de haver jovens com problemas de fé. Por fim, advertiu para alguns conflitos que podem surgir e para um aproveitamento indevido de textos legais feitos para outras associações que bloqueariam por completo a actividade do CNE se fossem para ali transpostas.

Foi o primeiro encontro do género, muito oportuno e esclarecedor, pelo que todos ficaram gratos ao P. Ricardo Jorge Pinto, actual Assistente diocesano.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.