Sábado, 2 de Julho de 2022

Teatro confirma aposta ganha, no estilo “World Music”

Quando falta apenas um espectáculo, para ser concluído o “Ciclo de Concertos de Verão 2007”, o Teatro de Vila Real confirma o sucesso da aposta, na sua vertente de “Música do Mundo”. Na recta final da iniciativa que já reuniu, no Auditório Exterior, cerca de oito mil espectadores, o Teatro começa agora a levantar o […]

Quando falta apenas um espectáculo, para ser concluído o “Ciclo de Concertos de Verão 2007”, o Teatro de Vila Real confirma o sucesso da aposta, na sua vertente de “Música do Mundo”. Na recta final da iniciativa que já reuniu, no Auditório Exterior, cerca de oito mil espectadores, o Teatro começa agora a levantar o véu de mais uma edição do “Douro Jazz” que, este ano, tem, como “cabeça de cartaz”, Billy Cobham, considerado “um dos maiores bateristas de todos os tempos”.

No Sábado, dia 25, os Tabanka Djaz fecham o “Ciclo de Concertos de Verão 2007”, o Festival de Músicas do Mundo do Teatro de Vila Real que, em onze espectáculos, contou com a presença de cerca de oito mil espectadores.

Segundo Vítor Nogueira, Director da casa de espectáculos vila-realense, “o ciclo de concertos correu muito melhor do que no ano anterior, em termos de espectadores, o que veio desfazer o receio de que a aposta não seria bem recebida. Queremos colocar o Teatro e a cidade no panorama dos festivais de Verão”, revelou o mesmo responsável, explicando que os objectivos, para este ano, foram conseguidos. Apesar de registar “números mais equilibrados, no que diz respeito ao público”, na sua edição de 2006, os dois concertos mais disputados foram os das estreias das digressões de Andy Mackee e dos Devotchka.

“Sem dúvida que a aposta em trazer para Vila Real estreias de digressões e espectáculos únicos, em Portugal, se mostrou muito positiva” – revelou Vítor Nogueira, recordando que, nestes espectáculos, nem o tempo mais frio demoveu os espectadores que se deslocaram de vários pontos do país.

O Director do Teatro adiantou que, no último trimestre, se registou o mês com mais público, desde a abertura da casa de espectáculos: o mês de Junho que contou com mais de 12 mil espectadores.

“Até à data, o mês com mais espectadores tinha ultrapassado pouco as 10 mil pessoas”, recordou Vítor Nogueira, justificando a “enchente” de público, também com o Ciclo de Concertos de Verão.

Depois de nomes como Camané, Abdelkader Saadoun, Galandum Galundaina, Andy Mackee e Amsterdam Klezmer Band, entre muitos outros, chega a vez dos Tabanka Djaz subirem ao palco exterior.

Segundo fonte do Teatro, “esta é a banda mais influente da África lusófona, integrando excelentes executantes e apresentando uma música feita de envolvências rítmicas inebriantes, dançáveis, com influências dos mais diversos estilos tradicionais guineenses e tropicais, sobretudo do Gumbé, um ritmo musical de cariz urbano, oriundo da região de Bissau”.

Na recta final de mais uma edição do Ciclo de Concertos de Verão, Vítor Nogueira levantou o véu, ainda que ligeiramente, sobre o “Douro Jazz”, o próximo Festival a ser organizado pelo Teatro de Vila Real e que vai decorrer entre os dias 21 de Setembro e 20 de Outubro. Apesar de adiantar que a programação do Festival Internacional está, praticamente, fechada, o Director vila-realense não desvendou grandes pormenores, revelando, no entanto, e “em primeira mão”, que o “Douro Jazz” terá, como “cabeça de cartaz”, Billy Cobham.

Para além do espectáculo do baterista, natural do Panamá, o Festival de Jazz vai ainda contar, no dia 29 de Setembro, com a actuação do saxofonista norte-americano Donald Harrison, vencedor de dois “Grammies”.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.