Sábado, 28 de Janeiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Uma mão cheia de golos

Depois do interregno de quinze dias, devido ao regresso das corridas, há muito aguardado, ao circuito de Vila Real, voltou o Campeonato da Associação de Futebol de Vila Real, com a equipa de Vila Real a deslocar-se a Santa Marta de Penaguião, brindando os locais, com cinco golos sem resposta. Apesar da goleada, a primeira […]

-PUB-

Depois do interregno de quinze dias, devido ao regresso das corridas, há muito aguardado, ao circuito de Vila Real, voltou o Campeonato da Associação de Futebol de Vila Real, com a equipa de Vila Real a deslocar-se a Santa Marta de Penaguião, brindando os locais, com cinco golos sem resposta. Apesar da goleada, a primeira parte foi bastante equilibrada, com ambas as formações a jogar ao ataque e à procura do golo. Os homens da casa foram os primeiros a criar perigo, num cruzamento para a área, Vieira não segurou à primeira, mas conseguiu recuperar a tempo de defender o remate de Dani.

A resposta dos forasteiros veio na jogada seguinte, com um livre de Castanha a rasar o poste. As equipas estavam encaixadas e os criativos não tinham espaços, para se desdobrarem na contra-ofensiva. Aos 20 minutos, Vieira saiu bem, aos pés de um avançado da casa e cortou um lance que poderia levar muito perigo, para a sua baliza. Três minutos volvidos, houve uma grande penalidade, a favor dos vila-realenses. Meia sofreu falta, dentro da área. O mesmo jogador tentou converter o castigo máximo, mas Nené conseguiu defender o remate denunciado do jovem avançado “alvi-negro”.

Com a aproximação do intervalo, o Vila Real tentou aproximar-se, com maior acutilância, junto da área do adversário. Gabriel, já na pequena área, rematou, mas a defensiva da casa desviou. Até que Ernesto teve um remate feliz. Fez um cruzamento largo, a bola descreveu um arco, batendo na quina do poste e acabando por entrar na baliza. Sorte para o Vila Real, mesmo ao fechar a primeira parte, adiantando-se no marcador.

A segunda parte foi totalmente diferente, com o Vila Real a dominar, completamente, o Santa Marta que não teve o mesmo fulgor dos primeiros 45 minutos. Com passes curtos, a meio-campo, os jogadores do Vila Real conseguiam dominar esta zona fulcral do terreno. A partir daí, começarem a construir jogadas que levaram muito perigo à defensiva caseira. Com a pontaria mais afinada do que em jogos anteriores, os visitantes estiveram irrepreensíveis, no capítulo da finalização. Aos 57 minutos, Meia ganhou uma bola, a meio-campo, fez a combinação com Ernesto, este devolveu a Meia que, perante a saída de Nené, não teve dificuldades em fazer o segundo golo da tarde. Poucos minutos volvidos, surgiu o terceiro golo, numa falha colectiva da defesa visitada que Meia aproveitou, para bisar, na partida. Saiu de posição regular, ficou isolado e, apenas com Nené pela frente, desviou a bola, fora do alcance do guarda-redes da casa.

A perder por três golos, o Santa Marta nunca mais se conseguiu encontrar e houve um desnorte completo, na estratégia montada para o jogo. Os jogadores já não se entendiam e os erros foram-se sucedendo. As marcações não eram eficazes e a motivação também já não existia, apesar das alterações que o técnico Justino tentou operar. O jogo era, totalmente, controlado pelos forasteiros que chegavam, com facilidade, junto da área contrária. Na sequência da marcação de um canto, Gabriel voltou aos golos. Perante a atrapalhação da defesa da casa, o ponta-de-lança aproveitou para rematar, à meia volta, fazendo o quarto golo da sua equipa.

Já muito perto do final, num desentendimento entre Nené e um seu colega da defesa, permitiu a Luís Carlos obter o quinto golo da equipa “alvi-negra”.

O resultado final representa o culminar de um alto aproveitamento de oportunidades criadas pelos forasteiros que foram implacáveis, perante um adversário que cometeu erros fatais. O Santa Marta não conseguiu manter o mesmo ritmo que impôs no decorrer da primeira parte, sendo derrotado, copiosamente, no seu reduto.

 

Luís Pimentel,

treinador do Vila Real

“Uma excelente exibição da minha equipa”

O técnico vila-realense ficou bastante satisfeito com a vitória e com a exibição da sua equipa que fez um grande jogo.

“Na primeira parte, sentimos algumas dificuldades, com o Santa Marta a entrar muito forte. Também tivemos as nossas oportunidades, como a grande penalidade falhada, situação que afecta, sempre, em termos psicológicos, qualquer equipa. Houve um lance crucial, já a fechar a primeira parte, com um remate feliz de Ernesto, um golo que veio trazer um tónico forte, para o segundo tempo. Ao intervalo, reforcei a ideia de que seria preponderante marcar, cedo, o segundo golo. Entrámos muito fortes e os golos acabaram por surgir, com uma excelente exibição da equipa. Fomos criando sucessivas oportunidades e tudo correu muito bem. Apesar de algumas lesões que têm afectado o plantel, conseguimos colmatá-las, com a qualidade dos jogadores que temos”.

 

Justino, treinador

do Santa Marta

“O resultado não espelha o que se passou”

Apesar da goleada, o técnico da casa refere que ainda há muito campeonato para disputar e que o objectivo principal da equipa se mantém: a subida de divisão.

“Os números não espelham bem o que se passou em campo. Na primeira parte, tivemos as melhores oportunidades de golo, mas isso só não chega, porque é preciso concretizá-las. Na segunda parte, iríamos usar a mesma estratégia do primeiro tempo, mas, com um erro infantil, no último terço defensivo, sofremos o segundo golo e, então, tudo se tornou mais complicado. Perdemos a nossa organização e concentração. O Vila Real aproveitou para juntar as suas linhas e criar lances rápidos de contra-ataque e partir para este resultado volumoso. Para nós, o jogo acabou, quando sofremos o terceiro golo. Dou os parabéns à equipa do Vila Real. Vamos continuar a trabalhar, para alcançar o nosso objectivo que passa por lutar pelos primeiros lugares”.

 

Márcia Fernandes

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Estádio Municipal de Santa Marta de Penaguião.

Árbitro: Pedro Mesquita.

Auxiliares: Francisco Pinto e Bruno Trindade.

SANTA MARTA – Nené; Jorginho, Pires, Capelas e Gil (Pedro, 75’); Zé Carlos, Dani, Feliciano e Armando (Miguel Teixeira, 61’); Miguel e Diogo.

Suplentes não-utilizados: Artur, André e David.

Treinador: Justino.

VILA REAL – Vieira; Leirós, Zé Monteiro, Miguel e Peixoto; Ernesto, Fraguito, Castanha e Gabriel (Mica 86’); Nuno Meia (Pedro Alves, 82’) e Palhares (Luís Carlos, 78’).

Suplentes não-utilizados: Carlos, Nuno Silva e Caniggia.

Treinador: Luís Pimentel.

Cartões amarelos: Capelas (23’), Nuno Meia (28’), Ernesto (40’), Peixoto (60’) e Diogo (76’).

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores: Ernesto (45’), Nuno Meia (57’ e 65’), Gabriel (85’) e Luís Carlos (89’).

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.