Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

Uma mulher ferida e sete vacas mortas num incêndio

No domingo, pelas 2h00, um fogo destruiu uma vacaria e um armazém agrícola, em Santa Marta do Alvão. Uma mulher ferida, sete vacas mortas, um tractor destruído, centenas de quilos de palha consumidos pelas chamas, foram as consequências deste incêndio que mobilizou a população da aldeia.

-PUB-

Milhares de euros de prejuízo para o casal de agricultores. Acácio Sousa, mora numa habitação situada ao lado da vacaria e foi o primeiro a dar o alerta. “Estava deitado e senti uns estalidos na zona do telhado. Vim à janela, onde reparei num grande clarão a sair da zona da vacaria”. Juntamente com a esposa ainda recorreu ao uso de mangueiras para combater o fogo, mas os esforços revelaram-se infrutíferos, devido à explosão do depósito de combustível do tractor e à queda do telhado sobre as 12 vacas do estábulo.

Entretanto, os proprietários foram avisados e com o auxílio de populares ainda conseguiram retirar cinco vacas, embora três já apresentassem muitas queimaduras.

Quando os bombeiros de Vila Pouca de Aguiar chegaram ao local já nada havia a fazer, limitando-se a extinguir o fogo e a evitar a sua propagação a uma casa contígua. “Foram horas horríveis, com os animais a sofrer e a palha a arder à volta deles”, sublinhou Acácio Sousa. Maria Ermelinda, de 60 anos, dona da exploração, ficou queimada nas mãos quando tentava libertar as vacas das correntes de ferro, e teve de receber tratamento no Hospital de Vila Real. Domingos Castanheira, presidente da Junta de Freguesia de Santa Marta do Alvão e irmão do produtor pecuário atingido, suspeita de que na origem do fogo possa estar “numa faúlha lançada pelo tubo de escape do tractor, quando o irmão, José Miguel, estava a estacionar o veículo no armazém”. Por outro lado, a hipótese de curto-circuito também é uma das situações a ponderar. De salientar que, dois dos animais mortos iam ser vendidos na segunda-feira a um comerciante de gado da região.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.