Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Vila Real, 1 – Moncorvo, 3

O Vila Real averbou a primeira derrota em casa, esta época. No deby transmontano, os moncorvenses levaram a melhor ao vencerem por três bolas a uma, no Monte da Forca. Numa tarde fantástica para a prática de futebol, o público presente assistiu a uma entrada fulgurante da turma comandada por Sílvio Carvalho. Logo, aos 5’ a bola vai ao ferro da baliza de alvi-negra. Na marcação de um livre, Glauber atira forte e rasteiro, mas a bola bate no poste e ressalta para as mãos de Vieira. Volvidos 5 minutos, de novo, o perigo a rondar a baliza vila-realense. Mais um livre a favor dos forasteiros, onde Vieira se impõe com classe, defendendo o remate traiçoeiro do avançado da Terra Fria.

O Vila Real sentia muitas dificuldades em organizar o seu jogo ofensivo. Perdia muitas bolas no centro do terreno, as quais eram aproveitadas pelo adversário para colocar a defesa da casa em dificuldades. O primeiro remate dos visitados ocorreu ao minuto 13, mas André Lisboa não deu a melhor direcção ao esférico. O Moncorvo continuou a carregar no acelerador e foi com naturalidade que inaugurou o marcador, decorria o minuto 18’. Na sequência da marcação de um canto, Vieira sai mal ao lance e, na confusão, Joca aproveita para rematar para o fundo da baliza.

A perder, os vila-realenses vieram à procura do prejuízo e na jogada seguinte poderiam ter feito a igualdade. Grande trabalho de Moura, no interior da área, oferece o golo a Nuno Meia que desperdiça de forma incrível. O remate sai por cima do travessão. O técnico Luís Pimentel vai arriscar ao tirar o lateral Filipe e colocar no seu lugar Pedro Bouças. Mas, apesar de ter diversas ocasiões para marcar, os alvi-negros vão para o descanso em desvantagem.

 

Ao intervalo o técnico visitado vai esgotar as substituições. Luís Carlos sai lesionado, entra Caniggia para o seu lugar e André Lisboa é substituído por Leirós. Luís Pimentel arrisca todos os trunfos que tinha no banco. Estas alterações vieram melhorar o jogo dos homens da casa, mas sem resultados práticos. As oportunidades continuavam a ser desperdiçadas pelos avançados. O Moncorvo estava bem fechado no último terço do terreno, mas nunca descorava o contra-ataque. O Vila Real estava à procura do golo e balanceado no ataque, e o Moncorvo aproveitou esse facto, para lançar um rápido contra-ataque que culmina no segundo golo da tarde. Elísio ganha a Caniggia e foge na direcção da baliza, coloca em Lucas que só com Vieira pela frente não teve dificuldade em marcar. Tudo se complicou para a formação da casa que, ainda, vai ficar reduzida a dez elementos com a expulsão de Peixoto. Mesmo assim, os vila-realenses continuaram à procura de reduzir a desvantagem e o golo acaba por surgir num bom lance individual de Pedro Bouças. O avançado da casa tira dois adversários do seu caminho, olha para a baliza e desfere um grande remate, sem hipótese de defesa para David. Um grande golo que não foi suficiente para dar a volta ao jogo. Já em período de descontos, o Moncorvo vai sentenciar o encontro quanto ao vencedor, se é que dúvidas houvessem. Em mais um lance rápido de contra-ataque Alexandre, na cara de Vieira, remata para o terceiro golo da sua equipa.

 

Um resultado que se aceita pelo excelente início de jogo dos forasteiros, que souberam aproveitar as boas oportunidades que dispuseram. Os vila-realenses só podem queixar-se de si próprios, por terem desperdiçado tantas oportunidades. Há que ser mais eficaz, pois os golos são fundamentais para vencer jogos.

 

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“Fizemos um mau jogo”

 

Luís Pimentel ficou conformado com a derrota, mas espera dar a volta por cima, neste mau momento que a equipa atravessa. Promete ir à procura dos golos perdidos já no próximo encontro em Santa Maria da Oliveira.

“O Moncorvo entrou melhor no jogo e acabou por fazer o golo. Depois, conseguimos equilibrar e tivemos cinco ocasiões claras para empatar, ainda no decorrer da 1.ª parte. No segundo tempo, continuamos à procura do golo, mas o Moncorvo, em contra-ataque, vai aumentar o resultado. Ficamos reduzidos a dez elementos e tudo se complicou ainda mais. Acreditamos sempre e conseguimos reduzir para 1-2. Lutámos para conseguir pelo menos o empate, mas não fomos felizes. Perdemos, porque fizemos um mau jogo. Estamos a atravessar um mau momento, mas pretendemos já rectificar esta derrota no próximo jogo. Vamos continuar de cabeça a erguida e vamos trabalhar para conquistar pontos em todos os jogos. Este jogo já faz parte do passado, porque o futuro é já agora e estamos já a pensar no jogo do próximo Domingo, onde vamos procurar vencer no campo da Oliveirense”.

 

 

Sílvio Carvalho, treinador do Moncorvo

“Foi o nosso melhor jogo, esta época”

 

Sílvio Carvalho, no final do encontro, estava muito feliz com a vitória da sua equipa, que no seu entender, fez o seu melhor jogo da época.

“O resultado mais justo seria o 2 – 3. Merecemos vencer, naquele que foi o nosso melhor jogo desta época. Foi uma vitória muito importante para dar mais ânimo à equipa, porque vamos ter um ciclo de jogos difíceis e ainda temos o jogo da Taça de Portugal. Este campeonato não será fácil, pois as equipas são muito equilibradas e a luta vai ser difícil até ao final.

Mesmo a jogar com dez jogadores, o Vila Real, em alguns períodos de jogo, massacrou a nossa equipa. Conseguimos sair por três vezes para o contra-ataque e fazer golos que nos deram a tranquilidade necessária. Esta vitória é fruto da nossa eficácia e da entrada muito forte no jogo. Pretendemos ficar nos seis primeiros lugares para não passarmos pelos dissabores da época passada”.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Complexo Desportivo do Monte da Forca

Árbitro: Luís Ferreira

Auxiliares: José Silva e Miguel Silva

VILA REAL – Vieira, Filipe (Pedro Bouças, 35’), Zé Monteiro, Ernesto, Peixoto, André Lisboa (Leirós, 45’), Castanha, Luís Carlos (Caniggia, 45’), Moura, Nuno Meia, Bessa.

Suplentes não utilizados: Gamito, Nuno Fredy, Conceição e Fred

Treinador: Luís Pimentel

MONCORVO – David, Óscar, Glauber, Joca, Marqueiro, Campota (Zé Borges, 60’), Paulo, Flávio, Elísio, Lucas (Zé Tiago, 88’), Rubenilson (Alexandre, 53’).

Suplentes não utilizados: Víctor, Pedro Borges, Madalena e Teixeira.

Treinador: Sílvio Carvalho

Cartões Amarelos: Lucas (5’), Vieira (10’), Peixoto (34’ e 67’), Joca (48’), Bessa (51’), Zé Monteiro (75’), Leirós (78’), Alexandre (90’).

Cartão Vermelho: Peixoto (67’)

Ao intervalo: 0 – 1

Marcadores: Joca (18’), Lucas (65’), Pedro Bouças (81’), Alexandre (93’)

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.