Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Vila Real é distrito com mais idosos sozinhos ou isolados

A operação, que decorreu ao longo do mês de outubro, identificou, em todo o país, mais de 44500 idosos a viver sozinhos e/ou isolados, ou em situação de vulnerabilidade.

PUB

O distrito de Vila Real é o que tem mais idosos que vivem sozinhos ou isolados.

Segundo dados da Operação “Censos Sénior 2022” há 5353 idosos nestas condições no distrito. Já Bragança, com 3411 seniores sinalizados, é o quinto com maior número.

A operação, que decorreu ao longo do mês de outubro, identificou, em todo o país, mais de 44500 idosos a viver sozinhos e/ou isolados, ou em situação de vulnerabilidade.

Depois de Vila Real, Guarda, com 5243, Viseu com 3586, Faro com 3527, foram os distritos nos quais mais idosos foram sinalizados.

Em comunicado, a GNR explicou que esta operação visa “garantir ações de patrulhamento e sensibilização à população mais idosa que vive sozinha e/ou isolada”, alertando-a para a necessidade de “adotar comportamentos de segurança, reduzindo o risco de se tornar vítima de crimes, sobretudo violência, burla e furto”.

Durante a operação, os militares realizaram uma série de ações que privilegiaram o contacto pessoal com as pessoas idosas em situação vulnerável.

Na edição de 2022 da Operação “Censos Sénior”, a GNR realizou 305 ações em sala e 3.017 ações porta a porta, abrangendo um total de 26.527 idosos.

Desde 2011, ano em que foi realizada a primeira edição da Operação “Censos Sénior”, a GNR tem vindo a atualizar a sinalização geográfica, proporcionando “um apoio mais próximo” à população idosa, o que contribui para “criar um clima de maior confiança e empatia entre os idosos e os militares da GNR”, servindo a iniciativa para também aumentar o sentimento de segurança.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.