Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Vinhos premiados pelo Crédito Agrícola

O Crédito Agrícola distinguiu dezasseis vinhos das regiões vitivinícola das Beiras, do Dão, do Douro e de Távora Varosa no 4.º Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola, uma iniciativa dinamizada em parceria com a Associação dos Escanções de Portugal.

Dos mais de 200 vinhos brancos, tintos e espumantes colocados à prova por 120 produtores nacionais das várias regiões vitivinícolas do país, o júri distinguiu, durante as provas cegas realizadas a 20 e 21 de Outubro no Mercado de Vinhos do Campo Pequeno, 59 vinhos com a Tambuladeira dos Escanções de Portugal, 21 com medalha de ouro e 38 com medalha de prata.

A cerimónia de entrega dos prémios, que contou com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e da Alimentação, Luís Medeiros Vieira, e da Directora Regional da Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, Elizete Jardim, foi conduzida por Sílvia Alberto e reuniu duas centenas de convidados, entre produtores, representantes de cooperativas, enólogos, escanções e responsáveis do Crédito Agrícola de todo o país.

Nesta 4.ª edição foram distinguidos vinhos, oriundos das regiões vitivinícolas dos Vinhos Verdes, Douro, Távora-Varosa, Beiras, Dão, Bairrada, Tejo, Lisboa, Península de Setúbal, Alentejo e Algarve.

Nas três edições anteriores registou-se a inscrição de 650 vinhos e foram premiados 187 brancos, tintos e espumantes com as medalhas de Ouro, Prata e Bronze.

Com este concurso, que coloca à prova a qualidade dos vinhos nacionais, o Crédito Agrícola pretende apoiar o sector vitivinícola e o desenvolvimento das economias locais.

O Crédito Agrícola, a única instituição cooperativa portuguesa, de capitais exclusivamente nacionais está presente em todo o país.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.