Sábado, 25 de Maio de 2024
No menu items!

Votação da restauração da Casa do Douro na especialidade adiada para quinta-feira

A votação da restauração da Casa do Douro como associação pública e inscrição obrigatória prevista para hoje, na especialidade, foi adiada para quinta-feira, disse à agência Lusa o presidente da comissão parlamentar de Agricultura e Pescas.

-PUB-

A Comissão de Agricultura aprovou a 22 de dezembro o calendário com a data limite do dia 29 daquele mês para apresentação de propostas de alteração aos diplomas do PS, PCP e BE, que restauram a Casa do Douro, e a data da discussão e votação na especialidade, que deveria acontecer hoje, dia 03 de janeiro de 2024.

Pedro do Carmo, deputado eleito pelo PSD e presidente da Comissão de Agricultura, explicou que houve um pedido de adiamento potestativo por parte do grupo parlamentar do Chega.

Referiu ainda que, perante este pedido do Chega, o grupo parlamentar do PCP apresentou um pedido de urgência, que foi aprovado com os votos a favor do PS, para o agendamento de uma nova reunião para a votação nas próximas 24 horas, o que acontecerá na quinta-feira, ao final da tarde.

Os diplomas do PS, PCP e BE que restauram a Casa do Douro como associação pública, foram aprovados em março, baixaram à especialidade e, agora, deverá ser votado um texto conjunto.

A votação final global no plenário deverá acontecer até 11 de janeiro.

Em março, os três projetos de lei foram aprovados com os votos a favor dos deputados do PS, PCP, BE, PAN e Livre, contaram com a abstenção do PSD e os votos contra do Chega e IL.

Já em dezembro realizaram-se audições, na Comissão de Agricultura, de várias entidades e organizações ligadas à Região Demarcada do Douro, que reclamaram soluções urgentes para a região, no entanto divergiram na defesa da restauração da Casa do Douro como associação pública e de inscrição obrigatória.

Com sede instalada no Peso da Régua, distrito de Vila Real, a Casa do Douro foi criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense e viu alterados os seus estatutos para associação com gestão privada e inscrição facultativa em 2014, durante o Governo PSD/CDS-PP de Pedro Passos Coelho.

Em 2020, entrou em vigor a lei que a reinstitucionalizou como associação pública e inscrição obrigatória, mas, em 2021, o Tribunal Constitucional apontou inconstitucionalidades à lei, nomeadamente, uma insuficiência na definição de competências de natureza pública.

No início deste ano, o assunto voltou à discussão na Assembleia da República.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS