Terça-feira, 19 de Outubro de 2021

O estranho caso da reforma do ensino básico

Retira-se do currículo do ensino básico duas disciplinas chamadas extracurriculares (estudo acompanhado e área do projecto), afunila-se a leccionação de educação visual e tecnológica para um professor (eram dois), junta-se um fermento de contestação sindical e temos uma reforma educativa. Mentor do extraordinário desígnio nacional: Isabel Alçada (só tenho pena de não continuar a ouvir as bacoradas justificativas de Walter Lemos).

-PUB-

Ouvi a ministra da educação divagar sobre finanças públicas (não sabe onde o Orçamento Geral do Estado vai agora buscar os 42 milhões de euros decorrentes desta extravagância da oposição política parlamentar). Foi desconcertante. Não sei se este penoso encargo teve como mandante Sócrates ou Teixeira dos Santos. O que eu sei é que, definitivamente, a educação (o projecto nacional educativo do país) é um parente pobre para o presente executivo em crise permanente.

Em primeiro lugar, uma reforma educativa tem, necessariamente, voos mais alargados do que estes cortezitos estereotipados. Uma reforma educativa tem, por inerência nominal, um projecto educativo interciclo e intergeracional. Neste sentido, o ponto de partida deve ser sempre interrogativo: que cidadãos queremos

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

Mais Lidas | opinião

O povo é quem mais ordena

Ferrovia Boas Notícias

Beneficiou da Moratória?

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.