Sábado, 16 de Outubro de 2021

167 pessoas detidas durante o segundo período de emergência

Até às 17 horas desta quinta-feira a GNR e a PSP detiveram 167 pessoas por desobediência e encerraram 396 estabelecimentos por incumprimento.

-PUB-

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que, entre as 00:00 do dia 03 de abril e as 17:00 de hoje, foram detidas 167 pessoas por crime de desobediência, 40 das quais por desobediência à obrigação de confinamento obrigatório, 75 por desobediência ao dever geral de recolhimento domiciliário, nove por desobediência de interdição de circulação fora do concelho no período da Páscoa, 14 por desobediência ao encerramento de estabelecimentos, nove por resistência e 20 por violação da cerca sanitária de Ovar.

Segundo o MAI, foram encerrados, no mesmo período, 396 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas.

O Ministério tutelado por Eduardo Cabrita frisa que a estes números se juntam os verificados no primeiro período de estado de emergência, que vigorou entre os dias 22 de março e 02 de abril, em que foram feitas 108 detenções por crime de desobediência e encerrados 1.708 estabelecimentos comerciais.

No total e desde que entrou em vigor o estado de emergência foram detidas 275 pessoas pelo crime de desobediência e encerrados 2.104 estabelecimentos.

Durante o estado de emergência, que foi renovado pela segunda vez a 03 de abril e termina na próxima sexta-feira, a PSP e a GNR têm vindo a desenvolver “uma intensa atividade de sensibilização, vigilância e fiscalização junto da população”.

Na nota, o Ministério da Administração Interna insiste “no cumprimento rigoroso” das medidas impostas pelo estado de emergência devido à “imperiosa necessidade de todos contribuírem para conter o contágio” da covid-19.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.