Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

2017 foi um ano negro para a apicultura

O setor apícola foi fortemente afetado pela seca, tendo registado uma quebra superior a 80 por cento. para enfrentar este novo ano, Os apicultores estão apreensivos e esperam mais apoios

-PUB-

O ano de 2017 ficou marcado por uma seca extrema que afetou negativamente toda a exploração agrícola de norte a sul do país. As temperaturas mantiveram-se altas até ao mês de novembro e as chuvas foram, manifestamente, poucas para a agricultura. Os aguaceiros que caíram no final do ano foram insuficientes para salvar a produção, tendo havido perdas em todo o setor, desde a castanha até ao azeite.

No entanto, o setor mais afetado pela seca, ou seja, onde se verificou uma maior quebra de produção foi na apicultura, tendo-se registado, em algumas regiões, uma perda superior a 80 por cento.
Segundo vários produtores, da região de Trás-os-Montes e Alto Douro, foi “a maior quebra dos

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.