Domingo, 17 de Outubro de 2021

87.823 cidadãos controlados pelo SEF e GNR nas fronteiras terrestres

O Ministério da Administração Interna fez o balanço das atividades que SEF e GNR estão a realizar nos nove pontos de passagem autorizados, desde as 23 horas de 16 de março, dia em que as fronteiras internas com Espanha foram repostas temporariamente.

-PUB-

Desde 16 março, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, com a colaboração da Guarda Nacional Republicana, já fiscalizou 87.823 cidadãos nos nove Pontos de Passagem Autorizados determinados pela reposição temporária do controlo de fronteiras internas com Espanha, devido ao Covid-19.

A fronteira que registou o maior número de cidadãos controlados foi a de Valença, em Viana de Castelo com 40.004, seguida da de Vila Verde da Raia com 12.534.

Dos 87.823 cidadãos controlados, 853 foram impedidos de entrar em território nacional e um foi detido por uso de autorização de residência falsa, no ponto de passagem autorizado de Vila Verde da Raia, Chaves.

As recusas de entrada verificaram-se em Valença (286), Caia (199), Castro Marim (154), Vilar Formoso (84), Vila Verde de Ficalho (57), Vila Verde da Raia (40), Quintanilha (16), Marvão (10) e Termas de Monfortinho (7).

O objetivo deste controlo é, designadamente, vedar as deslocações de cidadãos em turismo/lazer entre os dois países.

A GNR, por sua vez, fiscalizou 57.382 viaturas no âmbito desta operação. Nos pontos de passagem não autorizados, foram reencaminhadas 207 viaturas e 531 cidadãos para os PPA. Foi ainda registado um crime por condução sem habilitação legal.

Desde 16 de março que está vedada a circulação rodoviária nas fronteiras terrestres, independentemente do tipo de veículo, com exceção do transporte internacional de mercadorias, do transporte de trabalhadores transfronteiriços e da circulação de veículos de emergência e socorro e de serviço de urgência.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.