Sábado, 16 de Outubro de 2021

Ainda há vindimas no Douro

Nos últimos anos, o corte de uvas tardio é uma prática que se tem vindo a generalizar junto de algumas empresas exportadoras da região. O objectivo passa pela produção de vinhos conhecidos como “Late Harvest”. Com estas vindimas tardias, o produtor obtém um vinho feito geralmente com castas brancas (Malvasia Fina) muito peculiar e muito apreciado. Por outro lado, o Douro prolonga as vindimas quase até ao Natal, o que pode constituir, no futuro, mais um motivo de atracção turística.

-PUB-

Na segunda-feira, a colheita de uvas para este tipo de vinho era visível em alguns socalcos da região. Entre algumas quintas que fazem vindimas tardias, destacamos a do Portal (Sabrosa), Noval (Vale de Mendiz) e empresas como a Rozés (Tabuaço e Lamego). As graduações podem atingir os 14 graus de álcool, num processo de concentração em que entram uvas expostas ao sol, que têm uma secagem natural e outras são deixadas nas vinhas para apodrecerem naturalmente de uma forma controlada. O produto final é obtido na paragem natural da fermentação sem adição de aguardente, o que empresta ao vinho uma característica única.

O Douro revela potencialidades para a produção destes vinhos, dadas as condições climatéricas e a orografia das suas vinhas.

Neste momento, países como a Austrália, África do Sul, Chile, Canadá, Alemanha, Espanha, França e Itália já recorrem a vindimas tardias. Nos países do Norte da Europa é utilizada a congelação dos bagos para obter a podridão e depois é extraído o açúcar por métodos avançados.

Para um vinho especial, como é o “Late Harvest”, os preços são elevados. Meio litro deste vinho ronda em média 30 euros. O preço é explicado pela morosidade do processo e ainda pela grande quantidade de uvas usadas na sua produção, ou seja, para 100 garrafas são precisos 2 mil quilos de uvas.

De referir ainda e como capricho da natureza, na segunda-feira, em algumas zonas elevadas do Douro ocorreu um facto inédito na região já que se registou queda de neve em algumas vindimas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.