Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Ângelo Moura quer fazer de Lamego “o melhor dos sítios para se viver”

Ângelo Moura tomou posse como novo presidente da Câmara e anunciou, como primeira prioridade, “dar a conhecer a todos os lamecenses a real situação do município, quer no domínio financeiro, quer a situação patrimonial, ordenando a realização de uma auditoria externa às contas e aos procedimentos inerentes”. 
 

Perante centenas de pessoas, que lotaram por completo o auditório municipal, Ângelo Moura sublinhou o seu empenhamento em “fazer de Lamego, em cada uma das suas freguesias, o melhor dos sítios para se viver, reconquistando a sua importância na região e no país”. Afirmando que a partir de agora se abre uma “grande janela de esperança, de mudança verdadeira e autêntica”, garantiu que o seu único propósito é “unir os lamecenses, projetando a cidade no futuro e transformar Lamego num concelho moderno, funcional, competitivo e solidário”. Em concreto, pretende de imediato reorganizar os serviços municipais, restabelecendo as hierarquias com vista à mobilização e motivação de todos os colaboradores, bem como planear e ordenar o território como pilar base da gestão municipal, dando por isso prioridade à elaboração de um Plano Municipal de Mobilidade. Mais à frente, anunciou, entre outras grandes medidas a concretizar, que o novo executivo irá apostar nas qualificações humanas “subalternizando o investimento infraestrutural às reais necessidades das pessoas” e desenvolver a economia e fomentar a criação de emprego, através da criação de um Gabinete de Apoio ao Investimento, em parceria com a Incubadora de Empresas e as escolas de ensino especializado. 

No executivo municipal, acompanham Ângelo Moura, António da Silva (PS), Catarina Rocha (PS), Ernesto Rodrigues (PSD), Fernando Silvério Sousa (PSD), António Pinto Carreira (CDS/PPM) e José Pinto (CDS/PPM).  

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.