Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Associado coloca Adega de Vila Real em tribunal

Em causa está a adesão da adega à federação do douro,, que está na corrida para ficar com a extinta Casa do Douro

-PUB-

 José Martins, associado da Adega de Vila Real, avançou para tribunal para anular a decisão tomada pela direção da Adega de Vila Real de aderir à Federação Renovação do Douro, uma das associações candidatas à sucessão da Casa do Douro.

O viticultor refere que na assembleia geral realizada a 28 de dezembro, o presidente da direção, Jaime Borges, afirmou que “só os três elementos da direção é que estão inscritos na associação Federação Renovação do Douro”. Aliás, o presidente Jaime Borges reforçou mesmo a ideia que “a adega não estava inscrita”. No entanto, mais tarde verificou-se que a direção da Adega Cooperativa de Via Real, Caves Vale do Corgo, aderiu, em 16 de dezembro, a uma associação denominada “Federação Renovação do Douro”, tendo a respetiva ficha de adesão sido assinada pelos atuais três diretores da direção e autenticada pelo carimbo em uso”.

José Martins sublinha que aquela decisão da adega cooperativa só poderia ser tomada numa assembleia-geral, “o que não aconteceu, com a conivência da Mesa da assembleia-geral”. Portanto, houve uma “violação à lei e aos estatutos associativos” e pretende, por isso, que sejam “suspensos todos os seus efeitos e todos os atos praticados em resultado daquela mesma decisão”.

No documento que envia ao tribunal, José Martins expressa ainda que a direção da adega “vinculou indevidamente à Federação Renovação Douro a adesão dos seus 1.582 associados e de uma área de vinha representativa de 1.469, 76 hectares”, em que os associados “não foram ouvidos nem lhes foi dada a oportunidade de se pronunciarem sobre este o assunto”.

Em declarações à Lusa, fonte ligada à Adega Cooperativa de Vila Real disse que vai ser feita oposição à providência cautelar, pois esta “não tem qualquer substância e que a adesão à Federação é legal”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.