Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

Atribuição de habitação social já tem regulamento

São mais de mil as famílias vila-realenses que engrossam a lista de espera por um espaço num dos cinco bairros sociais e apenas uma dúzia o número de casas disponíveis. Um novo documento, que foi exaustivamente discutido, vai ditar o futuro dessa lista de espera e dos fogos que vão ficando vagos. O autarca Rui Santos já adiantou que estão a ser pensadas novas soluções para “minorar as dificuldades daqueles que hoje procuram ajuda social” no setor da habitação.

-PUB-

Criar um conjunto de regras “objetivas” e “transparentes” foi o objetivo da Câmara Municipal de Vila Real com elaboração de um Regulamento Municipal para a Atribuição de Habitação Social, um documento que, apesar de aprovado na Assembleia Municipal, suscitou várias chamadas de atenção e muita discussão relativamente ao seu conteúdo.

“Acabará a arbitrariedade na entrega de casas em função de critérios pessoais, de amiguismos”, defendeu Rui Santos, presidente da Câmara Municipal de Vila Real, para justificar a elaboração o documento, que não existia anteriormente.

Apesar de não pôr em causa as reais necessidades das famílias que ocupam hoje os fogos de habitação social do concelho, o autarca defende que mesmo “entre cinco pessoas que precisam, há uma que precisa mais que as outras”, e essa decisão deve obedecer a “critérios objetivos e mensuráveis”, que possam ser “fiscalizados, por exemplo, pela Assembleia Municipal”.

Depois de aprovado o regulamento na última reunião da Assembleia Municipal, realizada no dia 10, o próximo passo será informatizar a lista de mais de mil pedidos e “aplicar a matriz”, que será “pública”. “Todos vão poder saber quem ocupa o primeiro, o centésimo ou o último lugar na lista”, sublinhou Rui Santos.

O mesmo responsável político recordou que o documento foi aprovado pelo executivo, esteve 45 dias em discussão pública e depois foi entregue para análise dos deputados municipais, não tendo sido “sugeridas alterações substanciais” a não ser “em questões de pormenor, como a numeração”.

Apesar de ter sido aprovado com apenas três votos contra, o documento mereceu uma extensa discussão na Assembleia Municipal, com o PSD e o CDS a considerar que se tratou de um “documento de fraca qualidade” e que deveria ter sido retirado da ordem de trabalhos para ser revisto.

Uma das questões levantadas prendeu-se com um erro na numeração dos artigos e outra com a terminologia utilizada para identificar as pessoas portadoras de deficiência e incapacidades (utilizado no regulamento o termo “pessoa deficiente”). “Este é um documento que já andou para trás e para frente. O executivo já o trouxe três vezes à discussão. Na própria comissão produzimos muitas alterações de fundo, nomeadamente a sua numeração. Não é só uma questão de logística, de ordenamento dos números, trata-se de trazer documentos com alguma qualidade para a Assembleia Municipal”, denunciou Abílio Guedes, da bancada social-democrata.

Conceição Pinho, do CDS-PP, lamentou também as “bastantes imprecisões” existentes no regulamento, “não só em termos gramaticais mas no próprio conteúdo”. “É preciso perceber que o conteúdo tem que estar correto para que possa ser aplicado”, defendeu.

Sem responder ao pedido de retirada do ponto da ordem dos trabalhos, o regulamento acabou mesmo por ir a votos e foi aprovado pela maioria.

Relativamente ao parque habitacional do município, que é insuficiente para dar resposta ao número crescente de pedidos, Rui Santos adiantou que a autarquia está a pensar outras soluções “para minorar as dificuldades daqueles que hoje procuram ajuda” e que estas entrarão já no próximo orçamento municipal.

Reconhecendo que é um problema que “nunca poderá ser resolvido” na íntegra, o autarca adiantou que já na próxima reunião da Assembleia Municipal, marcada para setembro, serão apresentadas “algumas alternativas, algumas soluções”.

De recordar que, o parque habitacional de Vila Real conta atualmente com cerca de 700 habitações, sendo que apenas cerca de uma dúzia está atualmente disponível para serem atribuídas a famílias carenciadas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.