Sábado, 16 de Outubro de 2021

Bairro da Araucária “vende-se”

Com perto 450 apartamentos, o bairro conhecido como Araucária está agora à venda. Cinco anos depois da transferência para a autarquia vila-realense, que investiu mais de três milhões de euros na sua requalificação, os inquilinos do bairro social poderão passar a ser proprietários, num processo de venda a preços reduzidos, cujo lucro reverterá para a recuperação de mais habitações no centro da cidade. Este mês, a autarquia vai entregar mais 14 casas dos seus bairros sociais.

-PUB-

A Câmara Municipal de Vila Real vai vender os apartamentos do Bairro Dr. Sá Caneiro, mais conhecido como Bairro da Araucária, por valores que variam entre os 23,8 mil e os 32,4 mil euros, confirmou, ao Nosso Jornal, a vereadora responsável pelo pelouro da Acção Social, Dolores Monteiro.

A mesma responsável política referiu, no dia 28, no final da reunião da Assembleia Municipal onde foi aprovado, por maioria, o regulamento de venda dos imóveis, que o objectivo da autarquia “é vender a maioria” dos 448 apartamentos existentes nos 20 blocos do bairro.

Entre outras regras, o regulamento prevê já valores fixos de venda para os apartamentos, sendo que, para as habitações T2 (108), a autarquia apresenta um preço de 23 mil 800 euros, para os T3 (224) de 28 mil e 700 euros, e para os T4 (116) 32 mil e 400 euros.

“Estamos a ter um excelente feedback por parte dos moradores”, revelou Dolores Monteiro, recordando que vários inquilinos, muitos dos quais vivem no bairro há mais de 30 anos, desde sempre demonstraram vontade de adquirir as habitações.

A Câmara Municipal espera conseguir vender uma grande parte do bairro, tal como aconteceu no Bairro São Vicente de Paula, em que foram vendidos cerca de 80 por cento dos fogos de habitação social.

“É claro que não vamos pôr ninguém na rua”, explicou a vereadora, revelando que quem não quiser comprar poderá continuar a viver nos respectivos apartamentos de acordo com o pagamento das respectivas rendas sociais.

Para os que optarem por comprar, a autarquia explica que a prioridade será dada aos actuais moradores das habitações e aos seus respectivos familiares directos, sendo de realçar que os compradores não poderão voltar a vender ou mesmo alugar o apartamento adquirido durante um período de cinco anos. “Trata-se de um processo muito transparente”, garantiu a autarca.

Relativamente ao ‘lucro’ com a venda das habitações, Dolores Monteira revela que as verbas serão integradas nos cofres da autarquia mas terão uma finalidade muito concreta: “Vamos investir esse dinheiro no projecto de recuperação de habitações no centro histórico, habitações que vão acolher mais famílias necessidades”, revelou.

De recordar que, a autarquia tem em curso a reabilitação de casas no Bairro dos Ferreiros, que, depois de recuperadas, serão arrendadas a jovens casais ou a famílias carenciadas, estando previsto que o projecto possa, no futuro, vir a ser alargado para outras zonas do Centro Histórico de Vila Real, nomeadamente para a Rua Direita e para a Vila Velha.

O Bairro Dr. Sá Carneiro foi construído na década de 80 pelo Estado português, tendo sido transferido para o parque habitacional do Município, pelo Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado (IGAPHE), em 2005, altura em que foi alvo da primeira intervenção de recuperação e conservação, o que exigiu um investimento da autarquia superior a três milhões de euros.

De recordar que, nos últimos cinco anos, a Câmara Municipal fez um grande esforço para regularizar a situação de todos os inquilinos do bairro, procedendo à recuperação das habitações que estariam a ser utilizadas indevidamente (como segunda habitação ou que estavam subalugadas), um processo que, em vários casos, exigiu mesmo o recurso ao tribunal.

Durante este mês, a autarquia vai atribuir mais 14 habitações sociais dos bairros da Araucária, Vila Nova e Bairro da Telheira a famílias carenciadas do concelho.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.