Domingo, 3 de Julho de 2022

Barro negro perde fôlego, na “Feira das Cuecas”

“Feira de São Pedro, cuecas para o ano inteiro”. Poucos são os vila–realenses que não conhecem a tradição do “abastecimento” de roupa interior, durante os dois dias dedicados a São Pedro. Por outro lado, outra tradição vai perdendo força, o comércio do barro de Bisalhães que, antes, pintava de negro a Rua Combatentes da Grande […]

“Feira de São Pedro, cuecas para o ano inteiro”. Poucos são os vila–realenses que não conhecem a tradição do “abastecimento” de roupa interior, durante os dois dias dedicados a São Pedro. Por outro lado, outra tradição vai perdendo força, o comércio do barro de Bisalhães que, antes, pintava de negro a Rua Combatentes da Grande de Guerra e que, este ano, foi assegurada por, apenas, um oleiro.

“Fico muito triste, por não ter vindo mais ninguém”, lamentava Ermelinda Carvalho Monteiro, a única oleira que marcou presença em mais uma edição da Feira de São Pedro, o certame antes conhecido pelo forte comércio do tradicional do barro negro de Bisalhães.

Seguindo uma tradição de família que perdura pelas suas mãos e do seu marido, a artesã recorda os tempos áureos da Feira de São Pedro.

“Era uma festa, nós até dançávamos”, lembrou a vila-realense, demonstrando uma notória tristeza pela solidão de ser a única feirante, este ano.

“Questões de saúde e falta de condições logísticas foram as razões que levaram os poucos artesãos que ainda resistem, em Bisalhães, a faltar a tradicional feira”, explicou Domingos Madeira Pinto, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Vila Real.

“É público todo o esforço que temos feito, para dinamizar o barro de Bisalhães”, sublinhou o autarca, lembrando projectos como o processo de certificação da louça e a sinalização de um circuito da aldeia-mãe daquela arte.

Mas Domingos Madeira Pinto garante que o Município ainda não desistiu do trabalho na área da formação de jovens, realçando que continua a “procura de parceiros, para a criação de uma Escola de Ofícios”.

Apesar da ausência de artesãos, Ermelinda Monteiro garante que o negócio “não correu mal” e revelou, ao Nosso Jornal, que ainda há vila- -realenses a “comprar os púcaros”, para manterem a tradição do “Jogo do Panelo”.

“Se Deus quiser, hei-de participar, na Feira, ainda durante muitos anos”, concluiu a oleira que, à semelhança da maioria dos artesãos, já tem mais de 60 anos e nenhum herdeiro para a arte de trabalhar o barro.

Quem regressará, com certeza, são os restantes comerciantes. Centenas de negociantes de outros tipos de artesanato, roupas, calçado, tapetes e, sobretudo, de cuecas, soutiens e meias.

“Há 18 anos que faço a Feira de São Pedro, em Vila Real”, contabilizou Maria Augusta, feirante natural de Famalicão, garantindo que “apesar da crise, as pessoas mantêm a tradição de comprar as cuecas, no São Pedro”.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.