Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Bombeiros da Cruz Verde dão sangue, no Hospital de S. Pedro

Cerca de quarenta Bombeiros da Corporação participaram nesta dádiva de sangue, marcando presença, também, alguns familiares dos “soldados da paz” e dois elementos da Associação Humanitária de Sanfins do Douro. Em Dezembro, uma centena de dadores da Cruz Verde poderão vir a doar mais sangue. “Cumprir o lema dos Bombeiros, Vida por Vida” e “uma […]

PUB

Cerca de quarenta Bombeiros da Corporação participaram nesta dádiva de sangue, marcando presença, também, alguns familiares dos “soldados da paz” e dois elementos da Associação Humanitária de Sanfins do Douro. Em Dezembro, uma centena de dadores da Cruz Verde poderão vir a doar mais sangue.

“Cumprir o lema dos Bombeiros, Vida por Vida” e “uma atitude solidária para com o próximo” foram os objectivos dos cerca de quarenta elementos da Cruz Verde que deram sangue, no Hospital de S. Pedro. Esta iniciativa veio, segundo o seu Comandante, Fernando Mota “ao encontro de uma solicitação da unidade hospitalar, no sentido de os Bombeiros ajudarem a minorar dificuldades, quanto ao Banco de Sangue da instituição. Foi a nossa bombeira Raquel que pertence ao Quadro Auxiliar da Corporação e que é Auxiliar de Acção Médica, no Hospital, que nos transmitiu esta sensibilidade. Fiquei receptivo a esta situação. Abrimos inscrições, destinadas aos Bombeiros e seus familiares, e foram convidadas duas associações, a de Sanfins do Douro e de Ribeira de Pena, que estavam presentes na altura em que chegou o convite. Desde logo, aderiram à iniciativa. Uma delas, a de Sanfins do Douro, colaborou connosco, com dois Bombeiros desta Corporação a participar nesta acção, enquanto que Ribeira de Pena, por motivos forçados, de última hora, não pôde estar presente. A acção correu bem e, em poucos dias, a Associação Humanitária da Cruz Verde conseguiu juntar cerca de cinquenta pessoas, sendo que, destas, quarenta eram Bombeiros. Destes, trinta e cinco deram sangue, os outros, por razões médicas, não lhes foi possível colaborar” – acrescentou Fernando Mota.

Este processo de doação de sangue foi acompanhado e elaborado pelo Centro Hospitalar de Trás-os- -Montes. Para que a dádiva de sangue acontecesse, teve de ser encontrada uma data adequada, por motivos operacionais que tinham a ver com o início da segunda fase do combate aos fogos florestais.

Entretanto, no horizonte, um outro objectivo está previsto: “na próxima dádiva de sangue que deverá ocorrer, em Dezembro, vamos tentar alcançar a centena de dadores. Para tal, iremos contactar outros Corpos de Bombeiros e falar aos nossos amigos, para que possamos, novamente, contribuir para uma boa causa” – concluiu.

 

Jmcardoso

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.