Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Candidato do PSD à Câmara promete baixar IMI

António Carvalho deixou como primeiro compromisso baixar o IMI para a taxa mínima, 0.3 %, e assim “devolver aos cidadãos de Vila Real 25% daquilo que pagam”.

António Carvalho, candidato do PSD à Câmara Municipal de Vila Real, comprometeu-se a baixar o IMI para a taxa mínima. O compromisso foi assumido, na sexta-feira, perante centenas de pessoas, durante a apresentação da sede de candidatura. A cerimónia contou com a presença do secretário-geral do PSD, José Matos Rosa.

António Carvalho deixou como primeiro compromisso baixar o IMI para a taxa mínima, 0.3 %, e assim “devolver aos cidadãos de Vila Real 25% daquilo que pagam”. Uma medida que significa aumentar o poder de compra dos vila-realenses, “porque por exemplo, o cidadão que paga 400 euros vai passar a pagar 300”, referindo ainda que “o IMI cobrado em 2012 foi de 3,6 milhões de euros, passando para mais de 5,7 milhões em 2016. Durante estes 4 anos, os vila-realenses pagaram cada vez mais impostos”.

António Carvalho esclarece que “a reavaliação dos imóveis ocorrida em 2012 provocou uma subida acentuada do IMI”, sendo que “a receita resultante da aplicação deste imposto era em 2012 de 3.628.085,45€; em 2013 de 4656.597,45€; em 2014 5.810.002,43€, em 2015 era de 5.860.733,43€; em 2015, 5.860.733,90€; e em 2016, a receita era de 5.823.950,05€”. Este diferencial de receita ao longo do mandato significou um acréscimo de receita relativamente ao valor de 2012  de 7.638.942,43€.

O candidato do PSD, disse à VTM que «o PS  com este acréscimo de receita aproveitou a “oportunidade” de poder dispor de mais uns milhões de euros para utilizar em opções mais que discutíveis, ao invés de amenizar a carga fiscal dos vila-realenses preferiu “apostar em mais foguetes”». “A opção de reduzir a taxa do IMI para o valor mínimo representa devolver aos vila-realenses cerca de um milhão e quinhentos mil euros. Mesmo assim a receita de IMI do município, relativamente a 2012, é superior em mais de oitocentos mil euros”, frisou.

A atração de investimento foi outra temática lançada por António Carvalho, referindo que “Vila Real possui uma centralidade favorável à atração de investimento” e garante que vai dar condições para que as empresas se instalem criando “políticas de atratividade que atualmente não existem”, afirmando ainda que “a escolha dos vila-realenses nas próximas eleições autárquicas é clara: ou escolhem parar no tempo ou apostam em quem pretende claramente fazer um investimento”. Segundo António Carvalho, os últimos 4 anos foram “4 anos de ilusão, de absoluto marasmo e propaganda e o PS não soube aproveitar a grande herança deixada no concelho pelo partido social democrata”.

António Carvalho diz estar confiante na vitória. “Tenho o apoio do partido, dos militantes e da sociedade civil que acredita numa cidade de Vila Real com mais futuro, com mais emprego, com mais ambição”, frisou.

Um apoio transmitido por Luís Ramos, presidente da concelhia social-democrata, que agradeceu a candidatura de António Carvalho “em nome de todos aqueles que não se conformam nem se resignam com a falta de ambição para a sua cidade e o seu concelho”.

Luís Ramos vai mais longe afirmando que este combate é contra todas as formas de intimidação e chantagem, acrescentando que Vila Real vive atualmente um enorme retrocesso democrático. “O medo parece ter voltado a apoderar-se dos nossos concidadãos. Vila Real precisa de um novo 25 de abril”, lamentou.

A sede de campanha da candidatura de António Carvalho está instalada no remodelado e emblemático edifício da concelhia do PSD Vila Real, no centro da cidade de Vila Real.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.