Terça-feira, 26 de Outubro de 2021

Cascarão da amêndoa pode vir a substituir antibióticos

Uma aluna da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) fez um estudo sobre as potencialidades dos subprodutos da amêndoa e os resultados foram surpreendentes. 

-PUB-

Segundo a tese de doutoramento, o cascarão, em conjunto com a pelicula que é retirada para a comercialização da amêndoa pelada, tem uma atividade antibacteriana “muito acentuada” e pode “combater estirpes bacterianas” que são potencialmente patogénicas e resistentes a múltiplos fármacos.

A aluna croata, Iva Prgmet, referiu à VTM que o objetivo foi aproveitar os subprodutos da amêndoa, entre os quais o cascarão, com vista à sua valorização, uma vez que “podem vir a tornar-se tóxicos para o meio ambiente, podem ser depositados em aterros ou ser utilizados para a alimentação animal”. 

Num mundo em constante mutação e com o desafio das alterações climáticas, a orientadora do doutoramento e diretora do Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CITAB), Ana Barros, sublinhou que a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que um dos principais problemas que vamos enfrentar é a resistência aos antibióticos, por isso, “é premente tentar arranjar alternativas aos antibióticos comerciais”. 

A diretora acrescentou que os subprodutos da amêndoa podem ter efeitos sinergéticos com os antibióticos que existem atualmente. “De facto, estes subprodutos têm potencialidades antibacterianas”, reiterou, adiantando que o grupo do trabalho do CITAB pretende trazer valor acrescentado dentro daquilo que é o conceito da economia circular. 

A amêndoa foi escolhida por ser o fruto seco mais produzido a nível mundial e tem um impacto económico bastante grande na região transmontana. Além disso, tem “uma matriz alimentar de reconhecido valor nutricional”, isto porque “tem efeitos benéficos para a saúde devido às suas propriedades nutricionais”.

No entanto, o estudo concluiu ainda que este subproduto pode também ser reaproveitado quer para a indústria cosmética e não apenas para a farmacêutica. “Ficou provado que o cascarão tem uma atividade antibacteriana elevada. Isto significa que, com estudos complementares, poderemos vir a comprovar se ele tem uma atividade mais potente do que determinados antibióticos contra bactérias multirresistentes”, frisou Ana Barros, afirmando ainda que tem uma atividade anti-inflamatória e antioxidante “muito elevada”, o que poderá vir a ser utilizado como “creme antirrugas, como creme de tratamento de feridas ou outras aplicações semelhantes”. 

Em Portugal, a campanha de 2019 rendeu cerca de 30 mil toneladas de amêndoa, em que mais de dois terços foram produzidas em Trás-os-Montes e Alto Douro. Nos últimos anos, a produção tem vindo a subir, porque ainda é uma cultura rentável, o que tem levado os agricultores a investir neste fruto seco.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.