Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021

Casos positivos em três lares da Misericórdia de Valpaços

A Misericórdia de Valpaços confirmou hoje ter casos positivos de infeção pelo novo coronavírus em três lares, sem concretizar o número, numa altura em que o concelho contabiliza um total de 160 pessoas em fase ativa da infeção.

-PUB-

“Apesar de todas as medidas implementadas, fomos confrontados, no dia 1 de dezembro, com os primeiros casos de infeção, fruto do aumento significativo verificado na comunidade, envolvendo posteriormente três estruturas residenciais, em estados diferentes de desenvolvimento infeccioso”, afirmou a Santa Casa da Misericórdia de Valpaços num comunicado publicado na sua página oficial.

A agência Lusa tentou obter mais esclarecimentos junto do provedor Altamiro Claro, que remeteu para a informação divulgada no comunicado.

No documento, a mesa administrativa da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), do distrito de Vila Real, disse que “a grande maioria dos utentes encontra-se em condições de saúde estável e todos devidamente acompanhados”.

“Alguns ultrapassaram já o período mais crítico da fase de desenvolvimento da infeção, sendo os próximos dias decisivos na evolução do seu estado clínico”, acrescentou.

A Misericórdia de Valpaços referiu que dispõe atualmente de dez Estruturas Residenciais Para Idosos (ERPI) e uma Unidade de Cuidados Continuados.

Salientou ainda que, desde o início da pandemia, tomou “todas as medidas de proteção dos utentes e trabalhadores” e foram implementados os respetivos planos de emergência, seguindo as orientações da Direção-Geral de Saúde (DGS).

“Ao longo destes últimos nove meses a Misericórdia mobilizou todos os meios, humanos, financeiros e infraestruturais, necessários ao combate à pandemia, designadamente através da aquisição de muitos milhares de equipamentos de proteção individual, realização de múltiplos testes a utentes e colaboradores, criação de uma unidade de retaguarda de apoio aos equipamentos sociais e instalação de um posto de testes covid-19 no nosso hospital de forma a existir uma resposta rápida e próxima”, sublinhou.

A instituição esclareceu que, desde a primeira hora, que os familiares dos utentes e as entidades oficiais, designadamente a Autoridade de Saúde Pública e o Centro Distrital da Segurança Social, “têm vindo a ser informados da situação nos referidos equipamentos de forma completa e transparente”.

De acordo com o último boletim epidemiológico do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Alto Tâmega e Barroso, o concelho de Valpaços tem 160 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus, contabilizando um total de 422 desde o início da pandemia e três óbitos.

Valpaços integra o grupo de municípios em risco extremamente elevado.

A agência Lusa tentou falar com o presidente da câmara de Valpaços, o que não foi possível, mas, num comunicado publicado nas redes sociais, durante o fim de semana, o autarca disse que, “contrariamente ao que sucede em outros concelhos e regiões do país, que têm conseguido diminuir a incidência de casos”, neste município “essa tendência não está a verificar-se”.

“É previsível que o número de novas infeções no concelho possa aumentar nos próximos dias, até porque surgiram os primeiros surtos em instituições dedicadas à terceira idade”, referiu Amílcar Almeida, na informação dirigida à população.

O presidente exortou à responsabilidade “de cada um”, considerando que “será determinante para baixar o número de infetados” no concelho, apelou ao uso de máscara, lavagem frequente de mãos e a uma redução das deslocações “ao essencial”.

Portugal contabiliza pelo menos 5.559 mortos associados à covid-19 em 348.744 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da DGS.

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.