Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Centro Hospitalar vai contratar mais dois Técnicos de Análises Clínicas

O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), Carlos Cadavez, anunciou, no dia cinco, em comunicado, que “estão em execução os procedimentos para concretizar a contratação de dois Técnicos de Análises Clínicas” para o Hospital de Lamego.

-PUB-

O anúncio surgiu em resposta a notícias divulgadas no final da semana passada e que deram conta da falta de técnicos naquela Unidade Hospitalar, o que levou ao encerramento do seu laboratório de análises clínicas durante o período da noite.

Depois da situação ter sido publicamente denunciada pelos vários partidos da oposição, os deputados na Assembleia da República eleitos pelo círculo de Viseu do Partido Socialista, apresentaram mesmo um requerimento ao Ministério da Saúde, pedindo esclarecimentos sobre aquele serviço.

“Prometido por muitos, foi decido, planeado e lançado durante o último governo do PS mas, fruto das políticas austeritárias da coligação PSD/CDS e do ministro Paulo Macedo, muito para além da “Troika”, como concluiu recentemente a OCDE, o Hospital de Lamego confronta-se agora com o encerramento do seu laboratório de análises clínicas durante o período da noite”, sublinharam os deputados, lamentando que, “mais uma vez, tal como nas urgências, o governo continua a manifestar uma enorme incapacidade para prevenir os problemas e limita-se a tentar remediar os que vai originando”.

No documento, subscrito por José Junqueiro, Elza Pais e Acácio Pinto, o PS pergunta mesmo ao ministro se tem conhecimento da solução encontrada para dar resposta à falta de técnicos, nomeadamente a intenção do CHTMAD de “dar uma formação tipo ‘prêt-à-porter’ a profissionais de enfermagem que, assim, substituiriam os técnicos qualificados de análises clínicas em falta”.

Acreditando que “a qualificação e segurança estão em primeiro lugar nas políticas de proximidade a que os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS)” têm direito, os deputados defendem que “nem os enfermeiros devem assumir responsabilidades pela avaliação, execução técnica e manipulação de análises e respetivos equipamentos, nem os técnicos são substituíveis na função para a qual adquiriam habilitações próprias que lhes são específicas”.

Carlos Cadavez contabilizou que “no Laboratório de Análises Clínicas de Lamego desempenham funções cinco profissionais especializados que técnica, científica e humanamente respondem às necessidades da população”.

A situação daquele serviço complicou-se quando, segundo o presidente do conselho de administração, três profissionais da mesma equipa técnica apresentaram atestados médicos, o que levou a que “a capacidade de resposta do Laboratório em causa fosse significativamente reduzida” e, consequentemente, a necessidade do seu encerramento entre o período das 22h00 às 8h00.

Para garantir novamente o funcionamento durante o período noturno, o CHTMAD anunciou duas medidas, “a instalação de equipamentos de análise clínica diagnóstica à base de química seca (tecnologia já utilizada nas outras Unidades Hospitalares do CHTMAD e outras Instituições do SNS)” e a “formação especializada para todos os profissionais do Serviço de Urgência, para que assim todos os procedimentos de recolha de sangue sejam realizados de forma segura e sem interferir nos cuidados de saúde prestados”. Medidas que serão complementadas com a contratação de mais dois técnicos.

De recordar que a concelhia do Partido Comunista Português já tinha denunciado a situação, tornando público que a situação decorreu após “um processo de sobrecarga de trabalho do pessoal afeto ao laboratório, que chegou ao cúmulo de 17 horas contínuas sem folgas, pelo não preenchimento das vagas existentes”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.