Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

CIM Douro identificou 400 projetos para os próximos quatro anos

Aposta na promoção turística e na dinamização da economia duriense são as prioridades, sendo certo que os primeiros projetos a avançar serão os merecedores dos fundos europeus.

-PUB-

No âmbito do próximo quadro comunitário de apoio europeu 2014/2020, a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Douro desenvolveu um Plano Estratégico de Desenvolvimento Territorial da região onde estarão representados alguns dos 400 projetos identificados nos vários municípios.

O Plano Estratégico, que foi discutido na reunião da Assembleia Intermunicipal realizada no dia 12, em Vila Real, pretende “preparar a região para os desafios” dos próximos fundos comunitários.

Segundo Francisco Lopes, presidente da CIM Douro, trata-se de “um documento que pretende articular a ação da comunidade intermunicipal, dos municípios e das diversas instituições regionais, com vista a atingir determinados objetivos que deverão estar em consonância com a estratégia definida para o Norte do País e também a nível nacional”, focando “projetos que sejam imperativos e que possam ser financiados”.

Se no último quadro comunitário foi feita uma grande aposta na construção dos Centros Escolares, o que representou um forte investimento em infraestruturas direcionadas para a “qualificação, ensino, formação e preparação das gerações para os desafios do futuro”, nos próximos quatro anos, e no que diz respeito aos fundos europeus, a CIM Douro vai concentrar-se em outras áreas, muito devido ao imperativo imposto pela própria Europa. “Há iniciativas que são fundamentais como todas as que se referem à dinamização da nossa economia, nomeadamente a promoção de empreendorismo e do produto turístico, que é fundamental para a região”, explicou.

Sem querer exemplificar em concreto, Francisco Lopes referiu apenas que “há projetos de todo o tipo”, quer na já referida promoção turística e desenvolvimento da atividade empresarial, quer na “área de formação e qualificação” e mesmo de algumas infraestruturas das quais o Douro ainda carece.

O Plano Estratégico, que foi desenvolvido com as autarquias e com outros “atores” locais, públicos e privados, como associações empresarias, empresas dos mais variados setores ou a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, mereceu a luz verde dos 19 municípios da CIM, no entanto o presidente adianta a possibilidade do plano de ação que dele resultará não ser tão consensual. “Obviamente que a estratégia em si é consensual. Agora tem que haver um plano de ação que leve à prática essa estratégia, aí poderá começar a haver divergências no que se refere à priorização de alguns investimentos e de alguns projetos concretos”, explicou o mesmo responsável político, deixando a certeza de que será dada “preferência àqueles que sejam candidatáveis aos fundos e que tenham apoio comunitário, porque esses serão claramente os mais fáceis de executar”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.