Terça-feira, 26 de Outubro de 2021

Cortadas ligações com Espanha em caminhos e estradas rurais

O município de Miranda do Douro, em colaboração com a GNR, está hoje a proceder ao corte dos acessos aos caminhos rurais que ligam esta zona do planalto mirandês ao território espanhol de Aliste e Sayago.

-PUB-

A medida surge após queixas das populações raianas às autoridades: devido ao encerramento dos pontos de fronteira instalados neste território do nordeste transmontano, os vizinhos espanhóis continuavam a deslocar-se para esta região, através destes caminhos rurais que estão em território transfronteiriço.

"Estamos a cortar caminhos e estradões [com recurso a uma retroescavadora], que ligam Portugal e Espanha através da chamada raia seca. Havia pessoas a atravessar de Espanha para Portugal, com recurso a veículos todo o terreno, numa altura crítica", disse à agência Lusa um representante do município de Miranda do Douro, Aquilino Gingo, que se encontrava no local.

Fonte da GNR também confirmou à Lusa que foram registadas queixas da população em relação a estas práticas.

A Lusa acompanhou ao longo da manhã de hoje as operações que envolveram militares da GNR, funcionários e maquinaria municipal.

Esta iniciativa levou ao corte de acessos transfronteiriços em localidades raianas como Paradela, Constantim, Ifanes, Cicouro e São Martinho de Angueira, no concelho de Miranda do Douro, distrito de Bragança.

O primeiro ponto a ser cortado foi perto da aldeia de Paradela, que faz fronteira com a população espanhola do Castro.

"Vamos proceder ao corte de todos os estradões. Há pontos que já foram identificados pela GNR como locais de passagem", assegurou o responsável municipal.

Por seu lado, o representante da Junta de Freguesia de Paradela da Raia, Miguel Martins, indicou que a situação está ser colmatada, para evitar "males maiores".

"Esta é uma medida de precaução devido à pandemia provocada pelo coronavírus", concretizou.

A aldeia de Paradela é um ponto de encontro habitual de portugueses e espanhóis, que por estes dias vive momentos de privação de vizinhança, devido ao perigo de propagação da covid-19.

"São medidas tomadas tendo em vista a segurança de todos", enfatizou.

Naquela aldeia, o café e mercaria também se encontram fechados, e o movimento de pessoas, a meio da manhã, era praticamente nulo.

O município tomou medidas idênticas, com colocação de obstáculos neste tipo de passagem.

"Havia pessoas que contornavam as barreiras de segurança na fronteira da Três Marras e passavam para o lado cá", indicou o autarca Jorge Fidalgo.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.