Terça-feira, 19 de Outubro de 2021
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cruz Branca é a primeira corporação do distrito a receber a “Fénix de Honra”

Contando com um programa comemorativo cheio de “pontos altos”, o aniversário da corporação vila-realense ficou ainda marcado pela bênção de uma nova ambulância todo-o-terreno, pela realização de um dia “aberto” à população e pela inauguração de uma exposição. No que diz respeito ao futuro, a corporação, que está a prestes a ver o início da obra do seu novo quartel, garante estar atenta aos “novos riscos”.

-PUB-

No âmbito das comemorações do seu 114º aniversário, a Associação Humanitária dos Bombeiros da Cruz Branca de Vila Real recebeu, no dia 9, a “Fénix de Honra”, a segunda mais alta distinção da Liga de Bombeiros Portugueses (LBP), tornando-se assim a primeira corporação do distrito a arrecadar o galardão.

A cerimónia de entrega do reconhecimento pela LBP foi o ponto alto das comemorações, no entanto, de sublinhar ainda que, no dia 8, e pela primeira vez, a Cruz Branca abriu as suas portas para exibir a sua actividade à população. “Fizemos demonstrações para mostrar aos cidadãos os equipamentos que temos e para que se destinam”, revelou o comandante da corporação, Álvaro Ribeiro.

No mesmo dia, foi ainda inaugurada uma exposição de trabalhos de Arlindo Botelho, “um vila-realense que sempre esteve muito ligado aos bombeiros”, cujos trabalhos revelam, na sua maioria, “um toque” dedicado aos soldados da paz. “Ele transformou emblemas e outros objectos que os bombeiros usam para salvamento em verdadeiras obras de arte, normalmente trabalhadas em madeira”, revelou o mesmo responsável.

Outro ponto alto das comemorações foi a bênção da nova ambulância todo-o-terreno, um veículo “muito importante para a actividade da corporação”, tendo em conta a sua área de intervenção de montanha e a actuação sob difíceis condições climatéricas. “Esta é uma ambulância de socorro. A diferença é que a célula está apoiada num chassis todo-o- -terreno, o que vai permitir apoiar as nossas missões em montanha e as que são desenvolvidas quando as condições atmosféricas são adversas, nomeadamente a neve e gelo, no Inverno, e, no Verão, os fogos florestais, apoiando quer os elementos que estão em combate, quer as populações que eventualmente necessitem de ser evacuadas”, explicou o comandante Álvaro Ribeiro.

Orçada em 53 mil euros, a ambulância foi custeada, na sua totalidade, por Maria Conceição Sousa Teixeira, uma benemérita que no mesmo dia mereceu a homenagem da corporação vila-realense.

Apesar das necessidades, não só ao nível do novo quartel, mas também no que diz respeito à aquisição de um auto-tanque (que já foi assumido em Diário da República pela Autoridade Nacional de Protecção Civil mas que tarda em chegar) e dos, sempre necessários, equipamentos de protecção individual para combate a incêndios florestais, industriais e urbanos, a Cruz Branca de Vila Real não cruza os braços e tem demonstrado ao longo dos anos “dinâmica e perspectiva de futuro”.

“Não temos estado distraídos com os novos riscos”, explicou o comandante, sublinhando, por exemplo, a construção da auto-estrada número quatro, uma obra que tem uma especificidade muito própria de intervenção em termos de socorro, não só no que diz respeito ao Túnel do Marão mas também aos pilares de viadutos, alguns com mais de cem metros, que “requerem também a aplicação de técnicas muito próprias de socorro e salvamento”.

“Para responder a esses novos riscos, em 2010 tivemos elementos nossos juntos de uma entidade credenciada para o curso de resgate em estruturas prolapsadas. Um curso muito bom em termos, por exemplo, do desenvolvimento de técnicas de resgate de pessoas em valas”, revelou o mesmo responsável, recordando ainda que, hoje, os seus elementos já estão preparados também para actuar em caso de incidentes nos parques eólicos existentes na sua área de intervenção.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.