Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Diocese de Lamego apresentou plano para o novo ano pastoral «dedicado à prática da caridade»

“Vai, e faz tu também do mesmo modo” é o tema, apresentado por D. António Couto numa carta pastoral.

O bispo de Lamego afirmou, no sábado, que o ano pastoral de 2017/2018 é “dedicado à prática da caridade” e constitui um “tempo oportuno” para afastar “preconceitos” que impedem a atenção aos “descartados e abandonados à beira da estrada”.

Na carta pastoral “Vai, e faz tu também do mesmo modo”, enviada à Agência ECCLESIA, D. António Couto convoca todos os diocesanos da Diocese de Lamego para uma “grande e intensa” torrente de amor, e pede a todos que sejam promotores de “mais alegria, mais caridade, mais fraternidade”.

“A todos peço a dádiva de uma mão de mais amor a todos os irmãos e irmãs que experimentam dificuldades e tristezas, dores, doenças, solidão, luto e cansaço. A todos peço que experimentemos a alegria de sairmos mais de nós ao encontro de todos, para juntos celebrarmos o grande amor que Deus tem por nós e sentirmos a alegria da sua misericórdia infinita”, escreve o bispo de Lamego.

A sessão decorreu no Seminário Maior diocesano, onde 120 participantes, entre sacerdotes, religiosos e leigos, tomaram conhecimento também do plano pastoral integrado e da calendarização das atividades diocesanas.

Para o bispo de Lamego, é preciso “uma nova cultura, em que o ser humano, desde a sua conceção até à sua morte, não seja considerado uma coisa, mais uma coisa e muito menos uma coisa a mais, mas um ser humano, único e irrepetível, filho amado de Deus e meu irmão querido, que me pede, e a quem eu devo, todo o meu afeto e dedicação”.
Na apresentação do novo ano pastoral, D. António Couto propôs à Igreja Diocesana de Lamego “a caridade como modo de viver e de fazer” em “todas e em cada uma das suas 223 paróquias”.

“É com este vivo desejo de oferecer a todos e a cada um dos amados filhos de Deus da nossa Diocese de Lamego um verdadeiro encontro com Jesus Cristo, que com o seu rosto ou viso repetida e carinhosamente nos visita”, referiu.

“É este o tempo da graça que Deus, que é amor e nos ama, nos concede para rompermos todos os círculos mais ou menos fechados, mais ou menos abertos, que fomos traçando à nossa volta, para excluirmos, com diplomacia, os nossos irmãos”, acrescentou o bispo de Lamego.
D. António Couto fundamentou as propostas para o ano pastoral de 2017/2018 numa “das mais belas figuras da caridade, retratada por Jesus numa das suas mais belas e intensas histórias”, a parábola do “Bom Samaritano”.

O bispo de Lamego lembra que, nesta parábola, “tudo, no texto, se joga sobre o fazer, e não sobre o saber”, e propõe à diocese que percorra a “avenida do amor e da caridade”.
O documento divulgado publica a carta pastoral de D. António Couto, assim como as atividades dos vário setores da pastoral na Diocese de Lamego e também de diferentes regiões pastorais.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.