Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Displicência defensiva dita nova derrota

O Vila Real deslocou-se ao terreno do Oliveira do Douro e averbou mais uma derrota neste campeonato. Nos últimos dois jogos sofreram seis golos e assim, torna-se difícil somar pontos. A tarefa de inverter toda esta situação não se avizinha nada fácil. O Oliveira do Douro luta pelo mesmo objectivo do Vila Real que passa pela manutenção nesta divisão, mas os gaienses estão a fazer um bom campeonato e entraram em campo com o único objectivo: vencer. Mas, os vila-realenses também precisavam de fazer um bom resultado para dar outro ânimo à equipa.

Luís Pimentel optou por jogar um futebol ofensivo com dois avançados na frente, com Nuno Meia a fazer a distribuição. A primeira grande oportunidade foi para os transmontanos, com Moura, na cara do guarda-redes, a rematar forte para grande intervenção de Castro. A resposta dos homens da casa não tardou, com Alexandre a recuperar a bola em zona perigosa e perante Vieira atira ao lado.

O jogo estava numa toada de equilíbrio com as equipas a disputar grande parte dos lances no centro do terreno. Até que aos 30 minutos, numa jogada de belo efeito vai surgir o primeiro golo do encontro. A bola é colocada para a entrada da área, onde aparece Roberto a encher o pé e rematar para o fundo da baliza.

A perder, os alvi-negros continuaram à procura de anular a desvantagem e poderiam tê-lo feito ainda na 1.ª parte. Primeiro é Nuno Meia que em posição privilegiada faz um passe ao guarda-redes. Depois, aos 37’, é Pedro que tem um grande remate, mas a bola sai a rasar o poste. O resultado ao intervalo era demasiado penalizador para os vila-realenses.

No segundo tempo, os forasteiros entraram com vontade de inverter esta tendência negativa. E vão conseguir fazer o golo da igualdade, aos 50’. Num livre, André Lisboa levanta para o interior da área, Moura antecipa- -se aos centrais e cabeceia para o fundo das redes. Com o empate no marcador, os visitados vieram para a frente à procura do golo, que veio a conseguir volvidos apenas dois minutos. Aliás, numa boa jogada de ataque, com Alex a passar por Fredy e, já dentro da área, coloca ao 2.º poste, onde aparece o cabeceamento ao ferro da baliza à guarda de Viera, na recarga de novo Roberto a fazer o golo e a bisar na partida. A defesa visitante deu espaço que os gaienses não desperdiçaram.

Aos 58’, Vieira faz uma grande defesa, depois do remate de Edison. Na sequência desta jogada, há um pontapé de canto, Ricardo salta mais alto que toda a defensiva alvi-negra e remata de cabeça para o terceiro golo.

Apesar das alterações operadas pelo técnico Luís Pimentel, o Vila Real não encontrava o melhor caminho da baliza, mesmo assim, nunca baixou os braços e continuou a lutar por outro resultado. Ainda vai conseguir reduzir através de uma grande penalidade que Nuno Meia converte. Mas, foi em período de compensação e já não havia tempo de reacção para tentar pelo menos o empate.

Depois de uma jornada em que descansou, devido à desqualificação do Maia, o Vila Real voltou à competição e não conseguiu trazer um resultado positivo de Vila Nova de Gaia. Alguma desconcentração defensiva é sinónimo de duas derrotas consecutivas, onde apesar de terem marcado quatro golos fora, sofreram seis. Dá que pensar.

 

Márcias Fernandes

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“Temos que encontrar o caminho das vitórias”

O técnico alvi-negro ficou desiludido com o resultado e realçou algumas falhas na defesa que culminaram neste desfecho negativo para a sua equipa.

“Infelizmente perdemos mais um jogo. Controlamos a partida durante toda a 1.ª parte e tivemos a primeira grande oportunidade, que o Moura não conseguiu concretizar. Praticamente, no único remate que a O. do Douro fez à nossa baliza marcou. Até parece que a história do jogo em Lixa se estava a repetir. Na 2.ª parte ainda entramos melhor, pressionamos o adversário e conseguimos chegar à igualdade. Numa altura em que demonstrávamos algum ascendente, sofremos um rude golpe com o segundo golo da O. do Douro. A nível psicológico, a equipa foi um pouco abaixo, mas tentou reagir. Com o terceiro golo, tudo se complicou. Ainda fizemos mais um golo, mas não chegou. Estamos a ter pouca eficácia atacante, porque criamos inúmeras situações que não conseguimos materializar em golos. E na defesa, cada erro cometido, a equipa adversária consegue marcar quase sempre.

Para o próximo jogo o técnico promete continuar a lutar pelos pontos que lhe têm fugido nos últimos encontros. “Não vai ser fácil, perante uma das formações mais fortes deste campeonato. É das poucas equipas da III Divisão que é profissional, mas esperamos ter o público a apoiar-nos para tentarmos alcançar os três pontos e encontrar o caminho das vitórias”.

 

 

António Pedro, treinador do Oliveira do Douro

“Os jogadores estão de parabéns”

O técnico estava satisfeito com mais uma vitória da sua equipa, num resultado que foi justo para aquela que foi a melhor equipa em campo, o Oliveira do Douro.

“Foi uma vitória justa da melhor equipa. Apesar da boa réplica do Vila Real, acabamos por ter as melhores oportunidades e os jogadores estão de parabéns. Temos muitas dificuldades para treinar durante a semana e dar uma resposta assim, é sempre de louvar o esforço dos atletas. Lutamos todos os jogos pelos pontos em disputa e esperamos, no final do campeonato, ficar nesta divisão. Sei que não é uma tarefa fácil. Já na época passada sentimos muitas dificuldades para nos mantermos e este ano, também, não esperamos facilidades. É um campeonato equilibrado, muito fechado e pelo que já vi, qualquer equipa poderá estar nos primeiros seis lugares, nesta primeira fase”.

 

FICHA TÉCNICA

Jogo disputado no Estádio do Canelas, em Gaia.

Árbitro: João Paulo Silva

Auxiliares: Manuel Fernandes e Hugo Silva

OLIVEIRA DO DOURO – Castro, Ricardo, Teixeira (Marlon, 67’), Fernando, Pedro Monteiro, Patrick, Alexandre (Tonel, 45’), Pilhas, Edison (Correia, 80’), Roberto, Alex.

Suplentes não utilizados: Bruno, Flávio, Oliveira e Dani.

Treinador: António Pedro

VILA REAL – Vieira, Bessa, Nuno Fredy (Castanha, 62’), Ernesto, Peixoto, Norberto, Pedro, Luís Carlos (Caniggia, 75’), Moura, Nuno Meia e André Lisboa.

Suplentes não utilizados: Gamito, Conceição, Leirós e Filipe.

Treinador: Luís Pimentel

Cartões Amarelos: Nuno Meia (8’, 94’), Leirós (44’), Pedro Monteiro (53’, 81’), Teixeira (66’), Ernesto (83’), Alex (85’), Castro (92’).

Cartões Vermelhos: Pedro Monteiro (81’), Nuno Meia (94’).

Ao intervalo: 1 – 0

Marcadores – Roberto (30’, 52’), Moura (50’), Ricardo (58’), Nuno Meia (93’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.