Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Distrital do PSD/Vila Real diz que resultados eleitorais exigem sempre avaliação

O presidente da distrital do PSD de Vila Real afirmou hoje que os resultados eleitorais exigem sempre uma avaliação e que, se forem considerados negativos, tem de haver alterações para o partido não continuar um caminho de insucesso.

“Os resultados eleitorais têm de ser sempre avaliados e essas avaliações validam ou não as estratégias que foram utilizadas”, afirmou Alberto Machado à agência Lusa.

O presidente da distrital do PSD e também da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, onde foi reeleito para um segundo mandato, referiu que, após essa avaliação, se os “resultados forem considerados negativos, tem que haver alterações”.

“Não podemos continuar um caminho de insucesso. Isso é um caminho que não interessa a ninguém, muito menos às comunidades e aos próprios partidos”, sustentou.

Alberto Machado disse que vai esperar pelo conselho nacional de terça-feira e que, só depois, poderá formalizar uma opinião sobre os resultados das eleições autárquicas para o PSD.

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, assumiu no domingo a responsabilidade por "um dos piores resultados de sempre" do partido em eleições e admitiu não se recandidatar.

O líder social-democrata reiterou que não se demite da presidência do PSD, mas não excluiu a possibilidade de não voltar a disputar a liderança do partido nas diretas que se realizarão no início do próximo ano.

No distrito de Vila Real, o PSD venceu em seis municípios e o PS manteve a maioria das câmaras municipais, conquistando oito.

Os socialistas conseguiram 56.075 votos (42,60%) nos 14 concelhos e os sociais-democratas 49.090 votos (37,30%).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.