Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021

Douro aposta na mecanização para colmatar falta de mão-de-obra

Tecnologias desenvolvidas pelas universidades já estão a chegar às quintas, mas ainda falta o empenho da maioria dos agentes económicos

-PUB-

Apesar dos terrenos íngremes dos socalcos durienses, cada vez mais os produtores do Douro têm apostado na tecnologia para colmatar a falta de mão-de-obra. É o caso da Real Companhia Velha, que tem várias quintas na região, e tem apostado na mecanização para uma agricultura mais sustentável, no entanto, a força humana será sempre insubstituível em muitos dos trabalhos que há para executar. 

Esta é pelo menos a convicção de Rui Soares, da Real Companhia Velha, que disse à VTM que o futuro do Douro passa por aliar o conhecimento à tecnologia. “Temos de conciliar aquilo que bem fazemos da nossa região com as novas tecnologias que estão ao nosso dispor. A ciência tem avançado bastante

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.