Sexta-feira, 1 de Julho de 2022

Erros defensivos ditam novo desaire

O Vila Real teve uma deslocação difícil ao terreno do Padroense para defrontar os locais que têm vindo a recuperar fôlego na tabela classificativa. Já, os vila-realenses continuam a afundar-se na classificação e parece, cada vez mais, complicada a recuperação. Com o plantel a braços com várias lesões e castigos, a tarefa de Luís Pimentel para escalonar um onze foi fácil, perante tantas ausências.

Mesmo com tantas contrariedades, a atitude da equipa foi positiva, mas os erros individuais deitaram tudo a perder e os alvi-negros somaram a quarta derrota consecutiva. Mas, ainda há muito campeonato e ainda é cedo para deitar a “toalha ao chão”. É necessário um pouco mais de concentração e sorte para mudar esta tendência negativa dos últimos jogos.

Quanto ao jogo propriamente dito, começaram melhor os forasteiros com uma excelente oportunidade gorada por Moura. Aos 8’, há uma boa iniciativa na esquerda, a bola é levantada para a área, Moura antecipa-se ao guarda-redes faz o remate que um defesa da casa consegue tirar sobre a linha de golo. O Padroense reagiu aos 15 minutos e na primeira oportunidade não falhou ‘o brinde’ da defesa visitante. Na sequência da marcação de pontapé de canto, Gamito falha a intercepção e João aproveitou para inaugurar o marcador, perante o desacerto total das marcações na área transmontana.

Volvidos 4 minutos, mais um erro clamoroso que resultou no segundo golo para os homens da casa. Num lance rápido, Fred falha o corte, João ganha em velocidade, fica isolado e coloca em Sérgio que não teve dificuldades em aumentar a contagem. Tudo corria mal aos forasteiros que pagaram bem caro os erros cometidos. O Padroense, sem fazer muito, conseguia uma confortável vantagem ao aproveitar bem os ‘brindes’ oferecidos pelo adversário. Mesmo a perder por duas bolas, os vila-realenses nunca viraram a cara à luta e foram atrás de minimizar o prejuízo. Aos 31’, numa das melhores jogadas do desafio, Nuno Meia ultrapassa dois adversários centra ao segundo poste, onde aparece Moura a rematar para o fundo da baliza e a reduzir a desvantagem. Ressurgia alguma esperança nas hostes alvi-negras, mas, quando nada o fazia prever, o Padroense vai chegar ao terceiro golo, já muito perto do intervalo. Mais uma vez, há um pontapé de canto, a bola é colocada a meia altura na área e caprichosamente vai bater no poste e acaba por entrar na baliza de Gamito. Um lance feliz de Sérgio que com este golo bisou na partida. Mas, a defesa não fica isenta de culpas, pois houve muita passividade na hora de atacar a bola.

No descanso, Luís Pimentel deixou o central Fred nos balneários e colocou Caniggia em jogo, fazendo recuar Peixoto para fazer dupla, no centro da defesa, com Ernesto. Era um Vila Real à procura de inverter a tendência de jogo, mas foram muito poucas as oportunidades criadas, apesar do domínio que conseguiu nos segundos 45 minutos. Já, o Padorense limitou- -se a gerir a vantagem e deixar passar o tempo. Aos 56’, André Lisboa num grande pontapé proporciona a defesa da tarde a Rui que com uma palmada desvia pela linha final. Depois, Castanha vai sair lesionado, Nuno Fredy entra para o eixo defensivo e Ernesto vai ajudar o desamparado Moura na frente atacante. Faltou um criativo que conseguisse transportar a bola até ao reduto contrário para fazer os desequilíbrios. Moura também sentiu mais dificuldades para se movimentar na área, devido à cobertura implacável de Albertino (ex-Marítimo), já com muita experiência no futebol da 1.ª divisão.

O Vila Real lutou, mas para vencer jogos não se podem cometer tantos erros como aqueles que têm caracterizado os últimos encontros dos transmontanos.

Uma nota final para a equipa de arbitragem que esteve irrepreensível na condução do jogo, onde os jogadores também ajudaram pelo fairplay incutido.

 

 

 

Luís Pimentel, treinador do Vila Real

“Vamos tentar virar esta onda de maus resultados”

 

O técnico alvi-negro ficou desiludido com mais uma derrota, mas continua a acreditar que tudo pode mudar já no próximo jogo em casa, onde defronta o líder.

“Entramos melhor que o Padroense, tivemos uma situação clara de golo que infelizmente não conseguimos concretizar. Numa altura em que estávamos a controlar, há mais uma bola parada e mais um erro individual que penaliza todo o jogo que a equipa estava a fazer. Pouco depois, cometemos novo erro e sofremos novo golo. Tudo ficou mais complicado, mas a equipa continuou a jogar bem e conseguiu reduzir. Éramos a equipa com o sinal mais, mas sobre o apito para o intervalo sofremos o terceiro golo que foi um rude golpe para toda a equipa. No intervalo, disse aos jogadores para manterem a mesma atitude. Na 2.ª parte controlamos o jogo, tivemos algumas ocasiões e o Padroense teve muitas dificuldades para explorar o contra-ataque, devido às nossas marcações que fecharam os espaços. Acima de tudo, foi um bom jogo, mas os nossos erros deitaram por terra toda a estratégia que tínhamos preparada. A equipa jogou sempre unida e teve uma boa atitude, faltaram os golos e alguma sorte”.

No próximo jogo os alvi-negros regressam ao Monte da Forca para defrontar o líder Rebordosa e o técnico Luís Pimentel promete luta e empenho dos jogadores para alcançar os três pontos. “Vamos tentar recuperar os jogadores lesionados, já poderemos contar com o Bessa e o Leirós e vamos procurar a sorte que nos tem faltado para virar esta onda de maus resultados”.

 

 

Augusto Mata, treinador do Padroense

“Soubemos tornear as dificuldades”

 

O técnico estava satisfeito com mais uma vitória da sua equipa, num jogo difícil mas que acabou por se tornar fácil com a obtenção de três golos na 1.ª parte.

“Num jogo com um terreno pesado foi uma partida bem disputada. O Vila Real apareceu a trocar bem a bola e criou-nos algumas dificuldades que soubemos tornear. Marcámos três golos e a vitória acaba por ser justa. Pretendemos ficar nos seis primeiros lugares e é esse o nosso grande objectivo da época. Sei que não vai ser nada fácil, uma vez que este campeonato é muito equilibrado e a luta vai ser renhida até ao final. Mas, penso que vamos conseguir. Reforçamos a equipa na reabertura do mercado de Inverno, onde fomos buscar dois jogadores ao Marítimo que não estavam a jogar. São dois reforços que vêm trazer experiência à equipa e vão estar aqui pelo menos quatro meses a ajudar o Padroense a cumprir os objectivos”.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Jogo disputado no Estádio do Padroense, em Padrão da Légua.

Árbitro: Francisco Peixoto

Auxiliares: Paulo Sousa e Nelson Freitas

PADROENSE – Rui, Armando, Albertino, Seabra, Sérgio, João (Marcão, 75’), Vitinha (Arsénio, 80’), Miguel, André Simões, Paulinho e Daniel (Portilho, 50’).

Suplentes não utilizados: Marco, Andrade, Orriça e Cacheira.

Treinador: Augusto Mata

VILA REAL – Gamito, Filipe (Conceição, 81’), Ernesto, Fred (Ca-niggia, 45’), Peixoto, Luís Carlos, Castanha (Nuno Fredy, 60’), Norberto, Moura, Nuno Meia e André Lisboa.

Suplente não utilizado: Vieira.

Treinador: Luís Pimentel

Cartões Amarelos: Filipe (70’), Nuno Meia (73’), Peixoto (82’), André Lisboa (88’), Miguel (89’).

Ao intervalo: 3 – 1

Marcadores – João (15’), Sérgio (19’, 43’), Moura (31’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.