Terça-feira, 7 de Dezembro de 2021

Estalou o verniz entre a AAUTAD e o Município de Vila Real

Em causa está a decisão da autarquia que obriga a que a Caloirada aos Montes termine, todos os dias, uma hora mais cedo do que o previsto.

-PUB-

Até há bem pouco tempo, todas as festas organizadas pela academia, seja Caloirada aos Montes, Semana Académica ou Barraquinhas Académicas, aconteciam até às 6h00. E foi com base nessa premissa que a AAUTAD organizou a Caloirada aos Montes.

Certo é que, a um dia do início de mais uma edição da “Caloirada aos Montes”, a Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) lançou um comunicado, nas suas redes sociais, dando conta de que “a quinze dias do início do evento, a Câmara Municipal de Vila Real enviou a autorização para a realização de ruído apenas até às 5h00”.

No mesmo comunicado, a associação académica lamenta tal decisão dizendo que “os estudantes, o pulmão financeiro de Vila Real, aqueles que lhe dão vida e força, sentem-se injustiçados por lhes retirarem aquela que era apenas mais uma hora de diversão. A UTAD é Vila Real e gostávamos que Vila Real fosse UTAD”.

Entretanto, o executivo liderado por Rui Santos, já respondeu ao comunicado da AAUTAD começando por dizer que “ser parte de Vila Real acarreta direitos, mas também responsabilidades”.

A autarquia lembra que durante as Barraquinhas Académicas, em setembro, a associação académica não cumpriu o acordo estabelecido. “Lamentavelmente, e apesar de alertada para os cuidados que deveria ter com a intensidade do ruído durante a madrugada, a AAUTAD permitiu que os níveis sonoros, logo na primeira noite, roçassem o intolerável, numa zona eminentemente residencial, o que motivou inúmeras queixas de cidadãos, quer junto do Município, quer junto das autoridades policiais.”

O município lembra que “como consequência dessa falta de cuidado, foi decidido reduzir a licença especial de ruído em uma hora e condicioná-la à existência de meios de medição e limitação de ruído, durante a “Caloirada aos Montes”. A AAUTAD, em vez de assumir os seus próprios erros e falhas como causa desta consequência, prefere responsabilizar o Município”.

Na nota enviada às redações, o executivo termina dizendo que, no seu comunicado, a AAUTAD não referiu o apoio dado pela autarquia às festas académicas. “O local onde decorrem é cedido gratuitamente pelo Município, tal como todas as grades de limitação, barracas de pequena dimensão, transportes e meios de transporte, infraestrutura elétrica, para não referir os recursos humanos que carregam, montam, limpam, entre outras tarefas, o recinto. Acrescente-se a este apoio logístico o apoio financeiro. Apenas no ano de 2018, o Município de Vila Real apoiou financeiramente em 20.531€ a AAUTAD”, lamenta.

A “Caloirada aos Montes” arranca hoje e prolonga-se até dia 4 de novembro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.