Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Estudantes “apanhados” com haxixe

Um jovem, de 17 anos, estudante da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, foi detido, no dia 11, na posse de 40 doses individuais de haxixe, pela Esquadra de Investigação Criminal da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Vila Real. Segundo fonte daquela força de segurança, a detenção ocorreu, pelas 10.30 horas, junto ao cemitério de […]

Um jovem, de 17 anos, estudante da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, foi detido, no dia 11, na posse de 40 doses individuais de haxixe, pela Esquadra de Investigação Criminal da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Vila Real.

Segundo fonte daquela força de segurança, a detenção ocorreu, pelas 10.30 horas, junto ao cemitério de S. Dinis, perto da Escola Secundária, numa acção realizada no âmbito do combate ao tráfico de estupefacientes.

Para além do jovem que foi presente a Tribunal, tendo-lhe sido imposta a medida de coação de termo de identidade e residência, foram identificados mais quatro indivíduos, com idades compreendidas entre os 15 e os 17 anos, todos estudantes da mesma escola vila-realense, tendo sido apreendidas mais 10 doses de haxixe.

O respectivo auto de ocorrência foi enviado à Comissão de Dissuasão para a Toxicodependência (CDT) , organismo responsável em receber os casos enviados pelas autoridades policiais, para avaliação da situação de cada consumidor e decisão sobre a forma mais adequada de intervir, em situações de consumo.

”Apesar de não se ir para a cadeia, nem se ficar com cadastro criminal, a lei prevê, como medidas a aplicar, o encaminhamento de indiciados consumidores para tratamento, centros de saúde, apoio em serviços especializados, entre outros. Em alternativa, também é possível aplicar sanções que tenham como objectivo último a dissuasão”, explicou fonte do Instituto da Droga e da Toxicodependência.

Fonte da CDT de Vila Real contabilizou, desde a sua criação, em Julho de 2001, uma média de 120 a 200 processos.

 

MM

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.