Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Falhas na segurança na Barragem do Tua

Trinta notificações e vários autos levantados por falta de segurança e outras irregularidades, foi o resultado da verificação dos inspetores do Centro Local do Nordeste Transmontano da ACT levada a cabo na barragem do Tua na terça-feira.

-PUB-

Tendo como alvo as condições de segurança da obra, o inspetor-geral, Pedro Pimenta Braz, e a sua equipa, após a visita, elencou uma série de irregularidades que culminou no levantamento de autos e outras sanções. Foram detetadas várias irregularidades como a falta de proteções coletivas de guarda corpos para evitar quedas em altura, utilização de escadas de mão sem estarem ancoradas, falta de acessos ou acessos deficientes às plataformas de trabalho, ferros sem proteção, frentes de trabalho sem água para os trabalhadores, que chegam a fazer horários de 10 horas por dia. O não registo dos tempos de trabalho de alguns subempreiteiros, foi outra da situação encontrada.

Neste momento, a obra está no seu apogeu e dá trabalho a cerca de 600 operários, aumentando os riscos, nomeadamente o perigo de queda em altura com a construção do paredão.

A obra da barragem de Foz Tua começou em fevereiro de 2011 e desde então já ocorreram quatro acidentes com quatro mortos e oito feridos.

O inspetor-geral da ACT adiantou que, neste momento, não há nenhuma frente de obra suspensa e vão continuar a realizar ações inspetivas.

Os estaleiros desta obra têm como coordenador de segurança a Tabique-Engenharia, Lda., e como entidades executantes a Mota-Engil, Engenharia e Construção, SA, a Somague, Engenharia, SA e a MSF-Engenharia, SA.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.