Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Felgueiras, 2, Vila Real, 2

Numa tarde de chuva em Felgueiras, o Vila Real não foi além de um empate, numa altura em que teve o pássaro na mão e o deixou fugir nos instantes finais. Apesar de não ter entrado bem na partida, aos poucos os forasteiros assentaram o seu jogo e foram mais fortes, no entanto, voltaram a falhar em dois lances de bola parada, uma constante ao logo da época.

-PUB-

Tranquilos na tabela classificativa, os donos da casa começaram melhor e cedo chegaram ao golo, através de Bessa, que aproveitou bem a falha defensiva, logo aos 11’. Há um pontapé de canto, ninguém afasta a bola da área e o avançado felgueirense aparece no segundo poste a cabecear para o fundo das redes, inaugurando o marcador. Mais uma vez, os transmontanos voltaram a falhar nas marcações em lances de bola parada. No minuto seguinte, novamente os locais a colocar em alerta a defesa forasteira, valeu que o chapéu de Mané subiu muito e a bola saiu por cima do travessão. O Vila Real sentiu algumas dificuldades nestes minutos iniciais, mas a partir do minuto 20, vai ganhar supremacia no centro de terreno e começa a reagir à desvantagem. Primeiro é através de um forte remate de Bukia, que saiu ao lado, ainda desviado por um defesa. Depois, aos 25’, excelente abertura de Bukia para a entrada de Orlando, que não desperdiça na cara de Cajó, restabelecendo a igualdade. Um golo muito festejado pelo paraguaio. Perto do intervalo, novamente Orlando aparece em boa posição, mas o remate desta vez sai enrolado e perde-se uma excelente ocasião para os alvinegros.

Na segunda parte, o Vila Real entrou melhor e fez a reviravolta na marcha do marcador através de uma grande penalidade, a castigar uma mão na bola de Diogo dentro da área. Desta vez foi chamado à conversão Felipe, que não teve dificuldade em bater o guarda-redes Cajó, decorria o minuto 55. Aos 60’, os locais respondem, com Moreira a encher o pé para uma grande intervenção de Miguel, a negar o empate. Pouco depois, grande jogada de entendimento do ataque vila-realense, que merecia melhor finalização de Schuster, que rematou ao lado. O Vila Real dominava as operações em toda a linha, com o visitados a terem muitas dificuldades em explanar o seu futebol. Aos 75’, Bukia cruza tenso para a área, Felipe falha a emenda e Orlando também não consegue alvejar a baliza com êxito. Grande perdida dos visitantes, que eram donos e senhores do jogo. Aos 83’, Bukia remata forte mas sem a direção desejada. E, lá diz o ditado, quem não marca sofre e desta vez o erro voltou a repetir-se, com mais uma falha clamorosa da defesa, que foi novamente batida através de um lance de bola parada, com a bola a ser colocada no segundo poste, onde parece Diogo a rematar para o fundo da baliza. É inacreditável e difícil de compreender como os vila-realenses sofrem tantos golos de bola parada. Assim começa a ser complicado dar a volta ao contexto. Já nos descontos, o Felgueiras atirou ao poste e na resposta Cristiano também não encontrou o caminho do golo.

Empate acaba por ser demasiado penalizador para os alvinegros, que mereciam melhor sorte, uma vez que mostraram argumentos suficientes para vencer este jogo. No entanto, não se pode sofrer golos da forma como o consentiram.

 

Nuno Pereira treinador, do Vila Real

 

“Empate com sabor a derrota”

“Perdemos dois pontos, porque criamos mais situações de golo, tivemos capacidade para reagir às adversidades e pelo que produzimos, acho que merecíamos muito mais. Chegamos a pensar que tínhamos o jogo completamente controlado, no entanto voltamos a sofrer um golo de uma forma incrível, em mais um lance de bola parada, que não pode voltar a repetir-se. Temos trabalhado a equipa para as situações de bola parada mas acabamos por cometer sempre os mesmos erros. Mesmo assim, quero realçar a atitude, o comportamento e o orgulho que tenho nestes jogadores, pois trabalham para conquistar algo mais. Nós acreditamos que é possível reverter esta situação, por isso vamos continuar a trabalhar desta forma e pensar já no próximo desafio em casa com o Tirsense, em que só a vitória nos interessa”.

 

Zamorano treinador do Felgueiras

 

“O resultado acaba por se ajustar”

 

“Foi um jogo com duas partes completamente distintas. Entramos muito bem na partida e fizemos um golo. Depois ainda criamos uma ou outra oportunidade, mas acabamos por sofrer o empate num erro defensivo. Na segunda parte não estivemos tão bem e sentimos bastantes dificuldades.

O Vila Real teve o controlo do jogo e sentia que poderia vencer, teve algumas boas ocasiões, no entanto, sempre acreditamos e chegamos ao empate, que se ajusta ao que se passou em campo. Eu e o Bakero entramos numa fase de transição e não tem sido fácil, mas acredito neste lote de jogadores e esperamos fazer uma boa segunda fase. Vamos ficar até ao final da época e depois vou ponderar se continuo a treinar ou se volto a jogar, já que não coloco de parte essa possibilidade”.

 

Ficha Técnica

Jogo disputado no Estádio Dr. Machado Matos, em Felgueiras.

Árbitro: João Sousa (A.F. Bragança).

Auxiliares: Hugo Santos e Ivo Melo.

 

FELGUEIRAS: Cajó, Carlos, Diogo Oliveira, Samuel, Pinto, Pedro, Neves (Rafa, 64’), Coelho, Moreira, Bessa e Mané.

Suplentes não utilizados: Sérgio, João Rafael, André, Nelson, Costa Pinto e Henrique.

Treinador: Zamorano.

 

VILA REAL: Miguel, Telmo, Anderson, Fred, Daniel (Rui, 64’), Inácio (Emanuel Hackman, 91’), Cristiano, Schuster (Castanha, 78’), Felipe, Bukia e Orlando.

Suplentes não utilizados: Andrey, Eduardo, Zé Carvalho e Miguel.

Treinador: Nuno Pereira.

 

Ao intervalo: 1 – 1.

Cartões Amarelos: Telmo (17’), Pedro (30’), Daniel (32’), Coelho (44’), Schuster (63’), Rui (85’), Samuel (87’), Orlando (90’).

Marcadores: Bessa (11’), Orlando (25’), Felipe (55’) e Diogo (85’).

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.