Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Funcionamento de bar motiva protestos

Alguns moradores do prédio Sá Taqueiro, em pleno centro de Vila Pouca de Aguiar, alegam que o funcionamento nocturno do Bar “Amnésia” está a provocar muito barulho, afectando- -lhes “o sossego e o descanso”. O assunto já foi quezília política local e abordado em reunião do executivo municipal, mas acabou num impasse. Os três vereadores […]

Alguns moradores do prédio Sá Taqueiro, em pleno centro de Vila Pouca de Aguiar, alegam que o funcionamento nocturno do Bar “Amnésia” está a provocar muito barulho, afectando- -lhes “o sossego e o descanso”.

O assunto já foi quezília política local e abordado em reunião do executivo municipal, mas acabou num impasse. Os três vereadores do PSD, onde se incluiu o Presidente da Câmara, Domingos Dias, votaram a favor do encerramento do bar e ao fim da licença de utilização, enquanto que a oposição, com igual número de vereadores do PS (3) e CDS (1) votaram contra. Isto originou que o bar continuasse de portas abertas. Segundo a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, foi elaborado um estudo sobre o ruído e constatou-se que os mesmos ultrapassavam os limites legais.

Ana Sousa é uma das queixosas residentes do prédio Sá Taqueiro.

“Isto já se arrasta, desde 2002. É um local onde o dia começa ao cair da noite. O bar fica por baixo da zona habitacional e ninguém se preocupa em saber as horas e noites que passamos e os medicamentos que temos de tomar, para conseguirmos descansar”. Esta moradora espera que seja feito “um estudo pormenorizado das condições” de um local que, alega, “não tem as condições mínimas de insonorização”, para acrescentar: “Nada temos contra o estabelecimento, nem contra o seu proprietário, apenas que seja colocado um isolamento eficaz, de acordo com a lei”.

O proprietário do “Amnésia Bar”, Pedro Monteiro, de 32 anos, contesta as acusações e sustenta que “o bar está devidamente isolado e insonorizado. Tenho investido muito, nesta área, e tenho feito um grande esforço, para que o bar não incomode ninguém”. Segundo o próprio, já existe um acordo, com a Câmara e, por estes dias, vai pedir a licença de obras para proceder ao reforço do isolamento de uma parede e alguns pilares”, referindo que “o chão já está insonorizado”.

Ainda em relação ao ruído, sublinhou que “o som não é excessivo. Só tem música ambiente”.

O empresário referiu, ainda, que vai pedir “um estudo independente”. Tudo porque “as pessoas podem estar a queixar–se de ruído que poderá não ser proveniente do seu bar”.

 

Jmcardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.