Quinta-feira, 7 de Julho de 2022

Governo vai receber comissão conjunta de moradores

Esteve ontem reunido, com o Governador Civil de Vila Real, um grupo de representantes das Freguesias de Folhadela, Parada de Cunhos e Constantim que continuam a manifestar-se contra o traçado prioritário definido no Estudo de Impacte Ambiental para a construção da futura A4. Os moradores deverão ser recebidos, “em breve”, pelos Secretários de Estado do […]

Esteve ontem reunido, com o Governador Civil de Vila Real, um grupo de representantes das Freguesias de Folhadela, Parada de Cunhos e Constantim que continuam a manifestar-se contra o traçado prioritário definido no Estudo de Impacte Ambiental para a construção da futura A4. Os moradores deverão ser recebidos, “em breve”, pelos Secretários de Estado do Ambiente e das Obras Públicas e acreditam na receptividade dos governantes, para estudar “soluções alternativas”.

“Já nos foram dadas garantias de que, em breve, seremos recebidos pelos Secretários de Estado das Obras Públicas e do Ambiente”, adiantou Alcides Silva, membro da Comissão de Moradores de Folhadela e Parada de Cunhos, no dia 25, durante uma sessão de esclarecimento contra o actual traçado da Auto-Estrada 4 (A4), via que vai ligar Vila Real a Quintanilha e cuja configuração prevê a demolição de 20 casas e a construção um viaduto de 2.700 metros que cortará aquelas localidades vila-realenses.

Até à hora de fecho desta edição, não foi possível saber as conclusões da reunião levada a cabo com o Governador Civil de Vila Real, António Martinho. No entanto, Alcides Silva adiantou, ao Nosso Jornal, que o principal objectivo do encontro foi o agendamento e preparação de uma reunião com os Secretários de Estado. Segundo o mesmo morador, os governantes já se mostraram “abertos” a estudar novas soluções.

Durante a sessão de esclarecimento, realizada no Centro Social e Paroquial de Folhadela, a comissão que será recebida pelo Governo deverá contar com representantes das três freguesias vila- -realenses que, como explicou Mário Jorge, autarca de Parada de Cunhos, deverá levar “fotos e imagens de aéreas, para mostrar o que vai ser destruído”. “Se virmos que a nossa luta não é correspondida, iremos tomar medidas”, explicou este Presidente de Junta.

Rui Cortes, investigador da Universidade de Trás-os–Montes e Alto Douro (UTAD) e também membro da Comissão de Moradores, adiantou que a população poderá levar a questão “até às últimas consequências”, com a apresentação de queixas à Liga de Protecção da Natureza, à Quercus e ao Tribunal Europeu do Ambiente, organismo que, como recordou, já foi responsável pelo embargo de obras, em Portugal, como, por exemplo, a Barragem do Sabor.

Durante a sessão que reuniu dezenas de moradores, o docente universitário frisou ainda o estudo promovido pela UTAD que critica, veemente, o Estudo de Impacte Ambiental (EIA), documento que foi alvo de uma consulta pública, concluída no dia 2.

“Parece que querem fazer de nós tolos”, defendeu Rui Cortes, começando por criticar o facto de não haver uma solução viável ao traçado que corta as três freguesias, atravessando uma área inserida na Rede Natura 2000, isso porque, segundo a mesma fonte, a segunda alternativa que põe a hipótese da construção de um túnel, pela zona da Vila Velha, não pode ser considerada uma verdadeira alternativa.

De recordar que o parecer da UTAD critica, ainda, que, no sublanço em causa, “o estudo exaustivo da possibilidade de aproveitamento do Itinerário Principal 4 (IP4) é negligenciado, quando é, justamente, a zona mais sensível, para a implantação de um lanço inteiramente novo”.

Rui Cortes defende que o estudo de impacte ambiental tem “deficiências avassaladoras” e atesta que “foi feito um trabalho de campo muito fraco”, defendendo, portanto, a realização de estudos complementares e a apresentação de uma “verdadeira alternativa”.

No decorrer da consulta pública do EIA, foram enviadas dezenas de pareceres e um abaixo-assinado, com cerca de 2.400 assinaturas, à Agência Portuguesa do Ambiente, a contestar o traçado. A luta da população promete continuar, estando previsto que, depois da reunião com os Secretários de Estado, as Comissões de Moradores se unam, para a realização de uma sessão de esclarecimento, no centro de Vila Real, dirigida à população, em geral.

 

Maria Meireles

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.