Sábado, 16 de Outubro de 2021

Grupo australiano quer explorar tungsténio

A região do Douro poderá exportar tungsténio, também conhecido como volfrâmio, para os principais mercados mundiais. Uma empresa australiana está interessada num filão situado em Santo Adrião, concelho de Armamar, e já efectuou estudos e prospecções.

-PUB-

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Armamar Hernâni Almeida, as perspectivas são animadoras, já que esta exploração poderá ser uma mais-valia a nível de postos de trabalho para toda a região duriense. Este minério não é desconhecido no distrito de Vila Real, pois as minas da Borralha (Montalegre) já foram o segundo produtor nacional, a seguir às da Panasqueira, no entanto foram encerradas sem o filão ter sido esgotado.

Em Santo Adrião, estudos apontam para 3 mil milhões de toneladas de elevada pureza. A nível europeu, Portugal é um dos maiores produtores de tungsténio, contudo a produção tem vindo a cair nos últimos anos, devido à entrada maciça no mercado dos minerais da Rússia e da China. Assim sendo, uma quebra de produção nestes gigantes mundiais pode trazer novo alento para o nosso país.

No âmbito das suas aplicações, um dos compostos do tungsténio é extremamente duro e resistente, sendo utilizado no fabrico de serras e outras máquinas cortantes ou perfuradoras, como mós abrasivas e até pontas de esferográficas. A segunda aplicação passa pelo fabrico de aços especiais, de maior dureza, de resistência à corrosão e às temperaturas elevadas. Conhecem-se cerca de 300 ligas ferrosas comerciais, com percentagens variáveis de tungsténio. Contudo, as aplicações mais importantes do tungsténio metálico puro são o fabrico de filamentos para lâmpadas de incandescência, contactos eléctricos, e as válvulas de propulsores de reacção de mísseis e aeronaves.

Recorde-se que, no Douro, a Empresa Mineira Europeia, EME, em 1996, tinha um projecto de extracção de quartzo e feldspato, na encosta do Monte de S. Domingos, em terrenos situados nas freguesias de Valdigem (Lamego) e Fontelo (Armamar). Tratava-se do maior projecto mineiro feito nos últimos anos, na região duriense, mas acabou por não ter progressos significativos.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.